Acessar o conteúdo principal
Costa do Marfim

Cabo Verde envolvido na mediação na Costa do Marfim

Presidentes de Cabo Verde, Benin e Serra Leoa reunidos com o chefe da missao da ONU em Abidjan
Presidentes de Cabo Verde, Benin e Serra Leoa reunidos com o chefe da missao da ONU em Abidjan Reuters/Luc Gnago

Em Abidjan os líderes do Benin, Cabo Verde e Serra Leoa tentam convencer Laurent Gbagbo, o presidente cessante, a aceitar os resultados das eleições de 28 de Novembro. Logo, a sair da cadeira do poder e dar o lugar ao seu rival Alassane Ouattara.

Publicidade

Os presidente do Benin (Boni Yayi), Cabo Verde (Pedro Pires) e da serra Leoa (Ernest Bai Koroma) chegaram esta terça-feira de manhã a Abidjan. Na bagagem levaram uma tarefa difícil: convencer Laurent Gbagbo, o presidente cessante, a aceitar os resultados das eleições de 28 de Novembro.

Pedro Pires, presidente de Cabo Verde, um dos três chefes de Estado da Africa Ocidental destacado para mediar a crise marfinense, mostrou-se pouco otimista no que concerne ao sucesso desta missão.

Pedro Pires, Presidente de Cabo Verde

Mesmo assim, em entrevista à Rádio de Cabo Verde, no aeroporto da Praia, antes de viajar para Abidjan, Pedro Pires disse esperar que sejam criadas as condições para uma solução pacífica para a Costa do Marfim.

O que é facto é que, apesar das pressões internacionais e da ameaça de sanções, Laurent Gbagbo se tem mantido inabalável.

De ressalvar, ainda, que a instabilidade que se vive no país já levou à fuga de mais de 19 mil costa marfinenses para a Libéria. Destas, 5 mil saíram da Costa do Marfim desde sábado. Desde as eleições, no fim de Novembro, que morreram mais de 170 pessoas, vítimas de atos de violência ligada ao impasse político.

Com a colaboração do nosso correspondente na cidade da Praia, Odair Santos.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.