Acessar o conteúdo principal
Moçambique

Oposição contesta resultados em Moçambique

Cristiana Soares

A Comissão Nacional de Eleições de Moçambique publicou hoje os resultados preliminares definitivos nas eleições de 15 de Outubro nas cerca de 17 mil mesas de voto em todo o país que avançam que a Frelimo obteve maioria absoluta de 55,97% no parlamento e o candidato, Filipe Nyusi, venceu as eleições presidenciais com 57,03%. A Renamo e o MDM já vieram dizer que não reconhecem os resultados

Publicidade

Em entrevista à RFI o porta-voz do líder da Renamo, António Muchanga, disse que o partido já activou os trâmites para impugnar os resultados e lamenta que a Comissão Nacional de Eleições -CNE- se tenha antecipadocom a divulgação dos resultados, sem antes ter aguardado pela conclusão dos relatórios que estão a ser efectuados para averiguar quais são ou não votos reais " Foram encontrados boletins de voto em várias cidades antes da hora da votação com marcação favorável a (Filipe) Nyusi e à Frelimo... portanto para nós as eleições devem ser anuladas".

 

Quem também se distancia destes resultados é Fernando Mazanga, vogal da Renamo na CNE, alegando a desorganização do processo e a não conclusão de um relatório que foi feito nas várias provinciais do país. " Desde o inicio da adjudicação do material de votoção o processo não foi pacífico, mesmo a deslocação dos materiais não foi transparente. O próprio relatório de investigação nas províncias ainda não está concluído, o que poderia eventualmente ter impacto directo naquilo que são os resultados".

O MDM através do chefe da bancada parlamentar, Lutero Simango, relembra o episódio do passado dia 15 de Outubro, quando o partido viu os seus fiscais serem proibidos de estarem nas mesas de votação para fiscalizar o processo. " Já tivemos oportunidade de dizer que depois da maneira como as coisas decorreram não estamos em condições de reconhecer os resultados. O partido vai reuni,  nas próximas horas saberemos qual é a decisão  ".

 

Do lado das figuras do regime  os resultados preliminares foram acolhidos com cautela, a  presidente da Assembleia da República, Veronica Macamo, não descarta a hipópese de algumas irregularidades no processo. " De uma maneira geral todos têm a convicção de que o processo decorreu de uma forma justa e transparente, não quer dizer que não haja irregularidades...".

Os resultados preliminares oficiais da Comissão Nacional das Eleições apresentados esta tarde dão vitória ao partido no poder, Frelimo, com uma maioria absoluta de 55,97% no parlamento, e o seu candidato, Filipe Nyusi a vencer as presidenciais com 57,03%.

A Renamo conserva o estatuto de maior partido de oposição, obtendo 32,49% nas legislativas e o seu líder, Afonso Dhlakama, a registar 36,61% nas presidenciais. Quanto ao MDM, terceira força partidária, connquistou 7,21% no parlamento e Daviz Simango não foi além dos 6,36% na corrida à sucessão do actual chefe de Estado Armando Guebuza.

 

Com a colaboração do nosso correspondente em Maputo, Orfeu Lisboa. 

 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.