Acessar o conteúdo principal
Moçambique/ciclone

Moçambique: ciclone atinge centro para crianças deficientes visuais

Rastro de destruição deixado pelo ciclone Idai, no centro de Moçambique.
Rastro de destruição deixado pelo ciclone Idai, no centro de Moçambique. Reuters

O Centro de Deficientes Visuais de Moçambique, em Beira, não escapou à fúria do ciclone Idai. Desde o dia 14 de março, dezenas de crianças estão dormindo no chão, mas o pior é a falta de alimentos e a ameaça da propagação da epidemia da cólera.

Publicidade

Cristiana Soares, enviada especial da RFI a Moçambique

Face ao cenário de destruição deixado pelo ciclone Idai nas instalações do centro do Deficientes Visuais de Moçambique, o padre Nicolas diz que não saber por onde começar.

Segundo ele, o tanque de água foi levado pelo ciclone, além do teto e dos vidros. “Não temos energia, tubos de gás foram destruídos. Não sabemos onde começar e onde parar”, disse o padre Nicolas dos Sagrados Corações, responsável pela instituição.

Desde que o local foi destruído pelo ciclone, 70 crianças estão dormindo no chão e sofrem com a falta de alimentos e a ameaça de epidemias. Além, disso, conta o padre, as lojas foram vandalizadas. Ele também tem receio em comprar legumes contaminados pelo cólera.

Sem informações da família

A água potável também é escassa. “Água é muito urgente, para o banho ou para a cozinha”, explicou. Os menores pedem informações sobre as famílias, muitas atingidas pelo ciclone.

“Dá tristeza, estou buscando informações sobre situação das famílias. Já me pediram: queremos falar com a mamãe”, recorda, emocionado, Nicolas. O centro de Deficientes Visuais de Moçambique acolhe crianças com idades desde os seis até aos 17 anos e depende de ajuda externa.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.