Acessar o conteúdo principal
Evo Morales/Atentado

Evo Morales acusa chefe da Aeronáutica boliviana de tentativa de atentado

Exilado no México, Evo Morales declara que sofreu um atentato no dia 4 de novembro.
Exilado no México, Evo Morales declara que sofreu um atentato no dia 4 de novembro. REUTERS/Carlos Jasso

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, exilado no México, denunciou que está "convencido" de ter sido alvo de um atentado fracassado, no último dia 4 de novembro, quando o helicóptero em que viajava apresentou um problema mecânico e fez um pouso de emergência.

Publicidade

"Surpreendentemente, o helicóptero baixou. Eu ainda pensei que foi por um problema, mas agora estou convencido de que foi um ataque", disse Morales, em entrevista realizada pelo presidente equatoriano Rafael Correa para a rede de televisão russa RT, e transmitida nesta sexta-feira (22).

Evo Morales acusou o comandante geral da Força Aérea, o general Jorge Gonzalo Terceros Lara, de estar por trás dessa tentativa de assassinato. "Terceiros cometeram este atentado (...) Porque nos últimos dias esse general já mudou", lembrou Morales.

Em 4 de novembro, a Força Aérea da Bolívia informou que o helicóptero que levava o presidente boliviano fez um pouso de emergência por causa de "uma falha mecânica no motor de cauda durante a decolagem". Morales explicou naquele dia que o incidente, após a inauguração de uma estrada ao sul de La Paz, seria "devidamente investigado".

“Atentado criminoso”

O ex-ministro do governo [Interior], Hugo Moldiz, disse na época que o ex-presidente havia sofrido um "atentado criminoso".

"Viajo muito de helicóptero. Dos nove departamentos que a Bolívia possui, meu recorde é de cinco departamentos [em um dia]. Alterno viagens de helicóptero e avião. Com ventania, chuva, às vezes nebulosidade. Desta vez [havia apenas] um pouco de garoa. Isso me surpreendeu", disse Morales em sua entrevista com Correa.

Além do chefe da Força Aérea, Morales aponta o líder da direita boliviana como um dos possíveis envolvidos no suposto atentado. O ex-presidente boliviano lembrou que, naquele dia, Luis Fernando Camacho, um dos arquitetos de sua saída do governo, adiantou o fim da era de Morales a seus seguidores.

"Naquele dia, Camacho disse: 'Na segunda-feira, vão ver como Evo vai cair, vamos mostrar em vídeo'. E à noite, depois que sua vida foi salva, ele não mostrou nada. Ele queria mostrar como o helicóptero do Evo caiu e como Evo morreu", disse Morales.

A Bolívia atravessa uma grave crise desde as eleições de 20 de outubro, nas quais Morales, no poder desde 2006, buscava ser reeleito. A oposição denunciou fraudes e as Forças Armadas retiraram seu apoio ao então chefe de Estado, que renunciou e deixou o país. Até o momento, a violência já causou 32 mortes.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.