Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Escassez de alimentos chega ao fim na Venezuela e beneficia empresários brasileiros

Áudio 04:38
A escassez de produtos alimentícios acabou mas o governo matém o controle de preços de alguns artigos industrializados
A escassez de produtos alimentícios acabou mas o governo matém o controle de preços de alguns artigos industrializados Federico Parra / AFP

As prateleiras dos supermercados venezuelanos testemunham que a escassez de produtos alimentícios acabou. Este cenário começou a mudar apesar de o governo ainda manter, pelo menos no papel, o controle de preços de alguns artigos industrializados. Quem está ganhando com essa situação são empresários do norte do Brasil. Mas ao contrário do que acontecia antes quando os bens chegavam no comércio, agora eles demoram dias para que sejam comprados.

Publicidade

Correspondente da RFI em Caracas,

Embora ainda esteja vigente, pelo menos no papel, a política estatal de controle de preços (iniciada no final da Era Chávez) não está sendo seguida pelos comerciantes. Já o governo vem ignorando os preços aplicados nos comércios venezuelanos. Isso permitiu que os 42 produtos tabelados, a maioria alimentos industrializados e produtos de higiene pessoal, voltassem às prateleiras.

Essa mudança começou a ser percebida em meados deste ano e agora já é uma realidade no país. A diferença é que antes a importação do que é vendido no comércio formal era feita pelo Estado. Atualmente, o governo importa para suprir a demanda dos alimentos vendidos a preços subsidiados às pessoas cadastradas em programas sociais.

Mas as altas dívidas do governo afastaram os grandes exportadores. Agora o padrão dos fornecedores dos produtos mudou. As compras passaram a ser feitas por empresas de menor porte e com pagamento à vista, e não a crédito como acontecia anteriormente.

Produtos brasileiros

Desde o ano passado o governo vem permitindo a entrada de produtos importados pagando taxas e impostos baixos. Boa parte das mercadorias encontradas no comércio venezuelano vem da Turquia, Bolívia, México e também do Brasil.

Empresários da região norte do Brasil, sobretudo de Manaus e Boa Vista, se aproveitam da demanda venezuelana por alimentos e produtos.

De acordo com Fernando Portela, presidente da Câmara Venezuelana Brasileira de Comércio (Cavenbra), há dois tipos de negócios: um deles é feito por empresas de menor porte que trazem produtos em quantidade para abastecer supermercados. Outro é o “comércio-formiga”, feito de maneira informal por um pequeno grupo ou apenas por um indivíduo que compra no Brasil uma carga para revendê-la no território venezuelano.

Em ambas as modalidades, o pagamento é feito à vista e em dólares, já que a Venezuela vive um processo de dolarização de fato de sua economia. Nas grandes cidades venezuelanas, cerca de 50% das transações comerciais são feitas na moeda americana.

De acordo com Portela, o Brasil é o maior fornecedor de alimentos para a Venezuela. As exportações brasileiras vão fechar este ano em U$400 milhões. Uma queda de 32% em relação ao ano passado, quando foram negociados U$580 milhões.

Sanções não afetam

O economista Asdrúbal Oliveros, diretor da empresa de análise Ecoanalítica, explica que o Estado não está fazendo as importações e o principal comprador tem sido o setor privado, sobretudo o de alimentos. Isso está tendo um impacto importante. Os alimentos comprados pelo Estado eram vendidos com subsídio, o que permitia às pessoas com baixo poder aquisitivo ter acesso a esses produtos.

Agora não há o benefício e este é o grande problema da Venezuela atualmente: há produtos, abastecimento, mas as pessoas não têm dinheiro, e sem um poder aquisitivo elevado elas não podem comprar.

“O problema deixou de ser a escassez para um problema de poder aquisitivo e de produto”. Quem ganha em dólares tem melhor acesso aos alimentos que aqueles que ganham em bolívares (a moeda venezuelana), isso tem ampliado a fratura social e a pobreza.

De acordo com Luigi Piselli, diretor Confederação Venezuelana da Indústria (Conindústria) a indústria de alimentos está trabalhando com cerca de 30% de sua capacidade total. A maioria dos produtos que estão nas prateleiras é importada.

Além da baixa competitividade em relação aos produtos importados, a indústria venezuelana sofre com os problemas no fornecimento de água e de energia elétrica. Enquanto os importadores pagam baixos impostos, o empresariado local paga caro as taxas.

Vendas caem, ofertas aumentam

Já para Felipe Capozzolo, presidente de Consecomércio, o Conselho Nacional do Comércio e de Serviços, embora exista oferta de produtos “a capacidade de consumo tem sido baixa já que poucos cidadãos têm poder aquisitivo diante dos altos preços. Depois de certo tempo nas prateleiras, os preços dos produtos caem, gerando ofertas”.

Segundo ele, “a economia não se dinamizou, tampouco se recuperou”.

O economista Cesar Aristimuño explica que “o consumo de alimentos nos últimos cinco anos caiu mais de 60%” e compara: “há um ano um pacote de harina pan (para fazer a arepa, o prato nacional) não durava uma hora na prateleira, mas agora ele pode durar dias”.

De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) a inflação deste ano será de 200.000% no país comandado por Nicolás Maduro e o PIB do país terá um recuo de 35%.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.