Acessar o conteúdo principal
Irã/Ucrânia

Trudeau é taxativo: "avião ucraniano foi derrubado por um míssil terra-ar iraniano"

Destroços do Boeing 737 da Ukraine International Airlines que caiu na quarta-feira (8) depois da decolagem em Teerã.
Destroços do Boeing 737 da Ukraine International Airlines que caiu na quarta-feira (8) depois da decolagem em Teerã. Nazanin Tabatabaee/WANA/REUTERS

Um míssil caiu na noite desta quinta-feira (9) perto da base aérea iraquiana de Balad, na provícia de Salah. O local abriga soldados americanos no Iraque. A origem do míssil é desconhecida, segundo a agência Reuters. O incidente acontece no momento em que Estados Unidos e Canadá dizem que o avião ucraniano, que caiu na quarta-feira (8) depois de decolar de Teerã em direção a Kiev, foi atingido por um míssil iraniano.

Publicidade

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, disse ter informações de várias fontes de Inteligência que sugerem que o Boeing 737 da Ukraine Airlines, que caiu na véspera perto de Teerã, matando as 176 pessoas a bordo, foi "derrubado por um míssil terra-ar iraniano".

"Temos informação de múltiplas fontes, incluídos nossos aliados e nossos serviços", que "indica que o avião foi derrubado por um míssil terra-ar iraniano. Pode ser que não tenha sido intencional", disse Trudeau em coletiva de imprensa.

O premiê canadense insistiu em que estes últimos acontecimentos "reforçam a necessidade de uma investigação exaustiva sobre este assunto". "Como disse ontem, os canadenses têm perguntas e merecem respostas", destacou.

No Reino Unido, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, confirmou que o Boeing foi atingido por um míssil. O aparelho transportava 82 iranianos, 63 canadenses, 10 afegãos e 11 ucranianos, entre passageiros e tripulantes de sete nacionalidades.

O site do jornal The New York Times exibe um vídeo publicado hoje nas redes sociais que mostra o momento exato em que o voo PS752 foi atingido por um míssil iraniano. O NYT afirma que as imagens são legítimas.

Trump: "suspeitas"

Mais cedo, o presidente americano, Donald Trump, também disse ter "suspeitas" semelhantes. "Estava voando em uma área bastante difícil e alguém poderia ter se enganado", acrescentou. "Algumas pessoas dizem que foi causa mecânica. Eu, pessoalmente, não acho que isso seja uma questão", disse Trump, acrescentando que "algo muito terrível aconteceu".

Irã nega ter derrubado o avião

Em Teerã, o diretor da aviação civil, Ali Abedzadeh, rejeitou esta hipótese. Ele declarou ser "cientificamente impossível que um míssil tenha atingido o avião ucraniano". A agência iraniana divulgou um relatório que afirma que o avião já estava em chamas antes de cair no solo, segundo relato de testemunhas e de um outro avião que sobrevoava a mesma área.

Teerã diz que as declarações dos ocidentais são uma "encenação suspeita" e pede ao Canadá para fornecer as informações de que dispõe. Além disso, o   governo iraniano voltou atrás e convidou a Boeing a participar das investigações.

O Boeing 737, que tinha apenas três anos de uso e passou pela última revisão técnica na segunda-feira (6), caiu 6 minutos após a decolagem do aeroporto Imam Khomeini, em Teerã.

A Newsweek, a CBS e a CNN citaram autoridades não identificadas dizendo que estão cada vez mais certas de que os sistemas iranianos de defesa aérea derrubaram acidentalmente a aeronave, com base em dados de satélite, radar e equipamentos eletrônicos. A suspeita se baseia em imagens que mostram manchas de calor, características do disparo de dois mísseis terra-ar, que teriam cruzado o céu dois minutos após a decolagem do Boeing ucraniano. Uma explosão foi ouvida pouco tempo depois, perto do aparelho, segundo as autoridades americanas.

Luto nacional na Ucrânia

A Ucrânia pediu a seus aliados ocidentais que forneçam "provas" que ajudem na investigação da queda de um Boeing. "Nosso país tem o mais absoluto interesse em que se chegue à verdade. É por isso que pedimos aos parceiros ocidentais da Ucrânia: se tiverem provas que ajudem na investigação, solicitamos que as forneçam a nós", destacou a Presidência ucraniana em um comunicado.

O presidente Volodimyr Zelensky decretou um dia de luto nacional nesta quinta-feira. As autoridades do país examinam quatro hipóteses para a catástrofe: disparo de míssil, colisão, explosão de motor ou atentado terrorista.

O vice-ministro ucraniano das Relações Exteriores, Sergiy Kyslytsya, solicitou ao Conselho de Segurança da ONU "apoio incondicional" aos especialistas ucranianos que chegaram ontem à noite no Irã para investigar o local da queda do avião. "Foram perdidas 176 vidas inocentes. As circunstâncias desta catástrofe ainda não estão claras. Agora depende dos especialistas investigarem e encontrarem respostas para a pergunta sobre o que causou o acidente. Para fazê-lo, nossos especialistas devem receber apoio incondicional em sua investigação", ressaltou.

As caixas-pretas em poder dos iranianos foram parcialmente danificadas na queda. os primeiros elementos das investigações foram transmitidos para Ucrânia, Estados Unidos, Suécia e Canadá.

* Com agências internacionais

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.