Acessar o conteúdo principal
América Central

Guatemala: presidente toma posse prometendo lutar contra a migração e corrupção

Alejandro Giammattei, o novo presidente da Guatemala, numa entrevista coletiva, em 13 de janeiro de 2020.
Alejandro Giammattei, o novo presidente da Guatemala, numa entrevista coletiva, em 13 de janeiro de 2020. REUTERS/Luis Echeverria

Eleito em agosto de 2019, o médico Alejandro Giammattei assumiu nessa terça-feira (14) a presidência da Guatemala pelos próximos quatro anos. Conservador de direita que já havia concorrido outras três vezes, o cirurgião, de 63 anos, diz ter como prioridade o restabelecimento da ordem no país da América Central.

Publicidade

Os presidentes Iván Duque, da Colômbia; Lenin Moreno, do Equador; Nayib Bukele, de El Salvador; Juan Orlando Hernández, de Honduras; Laurentino Cortizo, do Panamá; e Danilo Medina, da República Dominicana, estavam entre as autoridades confirmadas na posse.

Giammattei substitui o impopular Jimmy Morales, com a promessa de atacar a corrupção e conter a pobreza que afeta 59,3% dos 15 milhões de habitantes da Guatemala. A crise econômica é um dos fatores que impulsionam a migração ilegal de milhares de guatemaltecos a cada ano para os Estados Unidos. O novo governo espera reduzir a pobreza no país para 25%, até 2032.

O novo presidente também terá o desafio de retomar o combate à corrupção que Morales não foi capaz de liderar, em meio a uma crise devido a revelações de fraude aduaneira, fato que gerou a rejeição da população aos políticos tradicionais.

O 51º presidente da Guatemala foi eleito com 58% dos votos ao derrotar a ex-primeira-dama, Sandra Torres, que foi posteriormente presa por um caso de financiamento ilícito de campanha.

Segundo Giammattei, a "maldita e repugnante" corrupção "roubou" a segurança, emprego, educação, saúde e "até os sonhos" dos guatemaltecos.

Combate a regalias nas prisões

Alejandro Giammattei tornou-se conhecido em 2006 e 2007, quando atuou como diretor do sistema penitenciário guatemalteco. Sob sua administração, foram descobertos um restaurante, sala de jogos e até um laboratório de transformação de drogas dentro da penitenciária de Pavon, na capital Cidade da Guatemala.  

Em 2010, o ex-diretor chegou a ser preso, acusado de ordenar execuções e prisões extrajudiciais. Giammattei alegava ser perseguido politicamente e a Justiça da Guatemala abandonou a investigação, após dez meses de processo, quando ele retomou sua liberdade.

Um dos países mais perigosos do planeta

Para atingir seus objetivos, Alejandro Giammattei aposta no Plano Nacional de Inovação e Desenvolvimento, que tem como pilares a economia, competitividade e prosperidade, desenvolvimento social, governança e segurança.

A Guatemala é um dos países mais perigosos do planeta. Devido a sua posição geográfica, faz parte da rota de migrantes e da droga que entra na América do Norte. O país também tem o maior índice de desnutrição infantil do continente.

Segundo o sociólogo e analista político Gustavo Berganza, no entanto, “a defesa dos direitos humanos não será uma prioridade para o novo governo, que deverá favorecer o desenvolvimento econômico do país, com o apoio de grandes proprietários de terra que desenvolvem a monocultura da palma, em detrimento aos direitos à água e terras dos pequenos agricultores”.

  

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.