Acessar o conteúdo principal
EUA/Primárias

Iowa: primeiro estado a votar nas primárias democratas foi prejudicado com política de Trump

Voluntários preparam o "caucus" de Iowa, em 2 de fevereiro de 2020.
Voluntários preparam o "caucus" de Iowa, em 2 de fevereiro de 2020. Reuters

A corrida da oposição à Casa Branca começa nesta segunda-feira (3) com a primária democrata no Iowa, estado do centro-oeste dos Estados Unidos. Seus 3,1 milhões de habitantes, de maioria branca (90%), representam 1% da população americana. Onze candidatos concorrem para definir quem vai enfrentar Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro.

Publicidade

O Iowa, um grande produtor de soja e de carne de porco, foi prejudicado pelas sobretaxas impostas pela China nas importações desses produtos, após a guerra comercial declarada pelo presidente republicano.

Segundo o cientista político David Redlawsk, da Universidade de Delaware, ouvido pelo jornal Les Echos, há muito tempo esse pequeno estado não tinha uma disputa tão movimentada. Os concorrentes fizeram muitos comícios na região para apresentar suas propostas, empregaram dezenas de cabos eleitorais e investiram no marketing político.

As últimas pesquisas, segundo o jornal Le Monde, apontam o senador Bernie Sanders (Vermont), 78 anos, e o ex-vice-presidente Joe Biden, 77 anos, à frente das intenções de voto nesse estado rural. Na sequência, figuram a senadora Elisabeth Warren (Massachusettes), 70 anos, e o mais jovem concorrente democrata, Pete Buttigieg, 38 anos. O novato Buttigieg, prefeito da cidade de South Bend (Indiana), ex-militar e homossexual, tenta encarnar uma alternativa de centro mais palatável do que Biden, que acumula controvérsias.

À procura de um campeão

Há muitos eleitores indecisos, destaca o Le Monde, ainda na dúvida se a melhor estratégia para enfrentar o rival republicano é ter um candidato com um programa de esquerda, como propõem Sanders e Warren, ou de centro, como sugerem Biden e Buttigieg, para evitar a polarização.

Le Figaro nota que a disputa ficou mais difícil para a oposição, uma vez que Trump deve ser absolvido nesta semana, no Senado, das acusações que levaram à abertura do processo de impeachment. A principal desvantagem dos democratas é a divisão interna, tanto no partido quanto no eleitorado sobre o perfil de candidato ideal, capaz de derrotar Trump nas urnas.

O interesse súbito dos moradores do Iowa pela primária democrata pode sinalizar uma eventual surpresa no resultado. Em 2008, o Iowa serviu de trampolim para Barack Obama. Em 2016, os delegados locais votaram em Trump, eliminando Hillary Clinton. Como recorda o professor Redlawsk, os eleitores do Iowa têm a tradição de escolher seu candidato tarde, em cima da hora do voto.

As próximas primárias democratas em fevereiro serão nos estados de New Hampshire (11), Nevada (22) e Carolina do Sul (29). A "Super Terça" será no dia 3 de março, na Califórnia.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.