Acessar o conteúdo principal
Estados Unidos

Sem surpresa, Trump é absolvido em processo de impeachment

Os democratas, minoritários no Senado, tentaram sem sucesso destituir Donald Trump
Os democratas, minoritários no Senado, tentaram sem sucesso destituir Donald Trump U.S. Senate TV/Handout via Reuters

O presidente norte-americano, Donald Trump, foi absolvido no processo de impeachment nesta quarta-feira (5) em Washington. O chefe da Casa Branca estava sendo julgado por abuso de poder e entrave ao trabalho do Congresso. O líder republicano poderá continuar sua campanha em busca da reeleição.

Publicidade

Apesar do ritual solene, acompanhado ao vivo pela televisão por dezenas de milhões de americanos, o resultado não foi uma surpresa. Em um Senado de maioria republicana, 52 dos 100 membros consideraram Trump inocente diante da acusação de abuso de poder. Já sobre o entrave do congresso, 53 votos foram favoráveis ao presidente. A Constituição dos Estados Unidos impõe uma maioria de dois terços (67 votos) para destituir um chefe de Estado.

A Casa Branca celebrou a absolvição de Trump, considerando o veredicto como "uma isenção completa" e denunciando mais uma vez uma "caça às bruxas" dirigida por seus adversários democratas. "O presidente está contente de deixar para trás este último capítulo de comportamento vergonhoso dos democratas", disse a porta-voz da presidência, Stephanie Grisham.

Já o líder democrata no Senado, Chuck Schumer, contestou o resultado devido à maioria republicana ter se negado a ouvir as testemunhas durante o julgamento político. "Agora que os republicanos rejeitaram um julgamento justo, a verdade é o grande asterisco na absolvição do presidente", disse Schumer a jornalistas. "O asterisco diz que ele foi absolvido sem [apresentar] fatos. Foi absolvido sem um julgamento justo. E significa que sua absolvição virtualmente não tem valor", acrescentou.

Trump foi o terceiro presidente dos Estados Unidos a enfrentar um processo de destituição, após Bill Clinton, em 1998, e Andrew Johnson, em 1868. A única surpresa desta vez foi o fato de que Mitt Romney se tornou o primeiro senador a votar pela condenação de um presidente do mesmo partido, no caso da acusação de abuso de poder.

(Com informações da AFP)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.