Acessar o conteúdo principal
Venezuela/Chávez

Morre aos 58 anos Hugo Chávez, presidente da Venezuela

Hugo Chávez dirigiu a Venezuela durante 14 anos.
Hugo Chávez dirigiu a Venezuela durante 14 anos. REUTERS/Jorge Silva/Files

O presidente da Venezuela morreu na tarde dessa terça-feira em Caracas. O anúncio foi feito pelo vice-presidente Nicolas Maduro após uma reunião com os principais dirigentes políticos e militares venezuelanos. Hugo Chávez, que comandou o país durante 14 anos, sofria de um câncer diagnosticado em 2011 e havia sido submetido a várias intervenções cirúrgicas em Cuba.

Publicidade

O anúncio da morte do chefe de Estado foi feito durante um pronunciamento na televisão pública. “Às 16h25 locais (17h55 de Brasília) de hoje 5 de março, faleceu o comandante presidente Hugo Chávez Frias após ter combatido uma doença durante quase dois anos", declarou Nicolas Maduro. O líder venezuelano lutava contra um câncer na região pélvica desde 2011 e chegou a ser operado quatro vezes em Cuba.

Presidente da Venezuela desde 1999, Hugo Chávez havia sido reeleito para um novo mandato de seis anos em outubro passado, antes de sua última cirurgia em Havana, em 11 de dezembro. Desde então, ele nunca mais foi visto em público, mesmo de uma foto dele sorrindo e abraçado com as filhas chegou a ser divulgada em 15 de fevereiro.

Carismático, católico fervoroso e admirador de Simon Bolívar, Chávez era um dos símbolos do socialismo latino-americano. Sempre reivindicando a herança ideológica do líder cubano Fidel Castro, o presidente cultivou durante toda sua carreira um imagem polêmica, apoiando dirigentes políticos controversos, como o líbio Muammar Kadafi, o iraniano Mahmoud Ahmadinejad, ou o sírio Bashar al-Assad.

Militante da intensificação do papel do Estado na atividade econômica, ele não conseguiu controlar a inflação galopante que tomou conta do país, 5° maior exportador mundial de petróleo bruto. Mas Chávez sempre garantiu altos índices de popularidade graças às suas ações sociais, apontadas por muitos críticos como puramente populistas.

Primeiras reações

Os líderes americanos foram os primeiros a reagir à morte de Hugo Chávez. A presidente brasileira Dilma Rousseff disse que a notícia representa “a perda irreparável de um grande sul-americano e de um amigo do Brasil”. Já o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva lembrou das lutas do venezuelano “por um mundo mais justo”.

O líder equatoriano Rafael Correa, aliado próximo de Chávez, disse que o colega foi um “revolucionário memorável”, que chefiou um movimento histórico. Do lado peruano Ollanta Humala manifestou sua “profunda dor” e ressaltou sua “solidariedade bolivariana, sul-americana e latino-americana”. O boliviano Evo Morales disse, retendo às lágrimas, que estava "destruído pela morte do irmão Hugo Chávez". Já o colombiano Juan Manuel Santos, que contou com o apoio do venezuelano nas negociações com as FARC (Forças Revolucionárias da Colômbia), exprimiu sua "profunda tristeza" e frisou que se seu país avançou "nesse processo sólido de paz, isso também se deve ao engajamento sem limites do presidente Chávez e do governo da Venezuela".

O presidente norte-americano Barack Obama disse que os Estados Unidos apoiam os venezuelanos após a morte de Chávez e declarou que espera “desenvolver relações construtivas” com o novo governo em um “novo capítulo” da história do país. Mesmo tom do lado do primeiro-ministro canadense Stephen Harper, que desejou um futuro melhor para a Venezuela e espera poder trabalhar com seu sucessor para “tornar a América do Sul mais próspera, segura e democrática”. 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.