Acessar o conteúdo principal
Mercosul/Cúpula

Sem grandes anúncios, Cúpula do Mercosul aposta em acordos comerciais nos próximos meses

Cidade de Paraná, na Argentina, que acolhe a reunião de Cúpula dos chezfes de Estado do Mersocul..
Cidade de Paraná, na Argentina, que acolhe a reunião de Cúpula dos chezfes de Estado do Mersocul.. REUTERS/Enrique Marcarian

Na cidade argentina de Paraná, a 500 km ao Norte de Buenos Aires, a reunião de Cúpula do Mercosul não terá nenhum grande anúncio. Mas o Brasil assume a presidência semestral do Mercosul com a meta de reverter esse panorama: expandir-se a mais membros e fechar acordos comerciais com mais países e blocos.

Publicidade

Márcio Resende, enviado especial da RFI a Paraná, província de Entre Ríos.

Num contexto de queda acima de 20% do comércio entre os países do bloco neste ano e de desaceleração econômica nos seus principais sócios, o Mercosul está diante do desafio de abrir-se ao mundo para não continuar a encolher.

Para os próximos seis meses de presidência brasileira, a prioridade é fazer o bloco voltar a andar. Além de tentar fechar um acordo de livre comércio com a Europa, o Brasil quer que o processo de inclusão da Bolívia como membro pleno seja concluído.

Também quer fechar um acordo de Preferências Tarifárias com o Líbano, com a Tunísia e com a nova União Aduaneira Euro-Asiática, bloco formado pela Rússia, Belarus, Cazaquistão e Armênia, que entra em vigência a partir de 1 de janeiro.

O subsecretário da América do Sul, Central e Caribe e coordenador brasileiro no Mercosul, Antonio Simões, explicou à RFI que está tudo pronto para novos acordos nos próximos meses.

"Foram assinados dois acordos-quadro: um com o Líbano; o outro com a Tunísia. Vamos agora ter negociações com esses dois países. Também ficaram acertados acordos que serão apresentados ao Sistema de Integração Centro-Americano (países da América Central). E também ficou acertado um memorando que será apresentado para a União Euro-Asiática, grupo de nações encabeçado pela Rússia".

Programa para integrar produção de brinquedos

Além de procurar sair do atual confinamento internacional como forma de evitar a estagnação, o Mercosul quer dar sinais de avançar com a livre circulação de pessoas. Há uma proposta de um passaporte provisório para os cidadãos do bloco e já foi decidida uma placa comum para todos os veículos novos adquiridos a partir de janeiro de 2016.

Foi criado o Programa de Integração Produtiva no setor de brinquedos. O Paraguai possui hoje a segunda maior fábrica de brinquedos do mundo e usa design uruguaio para os brinquedos que vendem para Brasil e Argentina.

O objetivo do Programa é estender esse tipo de cadeia produtiva no qual cada componente é fabricado num país e integrado no outro como forma de gerar interdependência e equilíbrio comercial a setores como metal-mecânica, plástico, químicos, têxteis, tecnologias da informação, calçados e cosméticos.

A presidente Dilma Rousseff desembarca em Paraná por volta das 11 horas da manhã, no horário de Brasília.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.