Acessar o conteúdo principal
Epidemia

Les Echos considera ineficaz controle de fronteiras contra o zika

Germana Soares, moradora de Ipojuca, em Pernambuco, mede a cabeça de seu bebê de dois meses, Guilherme Soares Amorim, que nasceu com microcefalia.
Germana Soares, moradora de Ipojuca, em Pernambuco, mede a cabeça de seu bebê de dois meses, Guilherme Soares Amorim, que nasceu com microcefalia. REUTERS/Ueslei Marcelino

A epidemia do zika vírus na América Latina continua em destaque nos jornais franceses desta quinta-feira (4). O diário econômico Les Echos faz um balanço das medidas anunciadas ontem pelos ministros da Saúde do Mercosul, após a reunião de emergência ocorrida no Uruguai.

Publicidade

Para limitar a propagação do vírus, os ministros decidiram reforçar os controles nas fronteiras, entre diversas outras medidas, mas o jornal francês considera difícil controlar o fluxo turístico em plena semana do Carnaval. Les Echos destaca a preocupação do ministro da Saúde argentino, Jorge Lemus, que lembrou que 2 milhões de argentinos passam as férias de verão no Brasil e podem retornar para casa com o vírus. O jornal assinala, no entanto, que a ausência de sintomas em 75% das pessoas infectadas torna esse tipo de controle ineficaz.

Os esforços devem ser focados em medidas de prevenção, principalmente para mulheres grávidas. Muitas gestantes ainda desconhecem os riscos de distúrbios neurológicos e de microcefalia que estão relacionados com a presença do zika, adverte o texto.

A diretora da Organização Pan-Americana de Saúde (OPS), Carissa Etienne, afirma ao jornal francês que "o número de pessoas contaminadas na região está, com certeza, subestimado". Ela indica que a OPS já empenhou US$ 850 mil (R$ 3,3 milhões) em ajuda aos países afetados, mas reconhece que seria necessário investir dez vezes mais, cerca de US$ 8 milhões (R$ 31 milhões).

A médica afirma que pulverizar as ruas com inseticida, para matar os mosquitos Aedes aegypti, vetor da doença, pode gerar um sentimento de segurança na população, mas não resolve o problema das larvas. Elas proliferam na água parada, e os criadouros de mosquitos precisam ser combatidos por todos os cidadãos, enfatiza Carissa Etienne.

Transmissão do zika por via sexual continuará insignificante, diz Le Figaro

O jornal Le Figaro evoca a transmissão do zika por via sexual, confirmada pela primeira vez no Texas, mas considera que ela não terá influência sobre a epidemia. O contágio por via sexual continuará marginal, na opinião da especialista francesa Gilda Grard. O principal inimigo é o mosquito vetor do zika, da febre chicungunha e da dengue, ou seja, o Aedes aegypti e suas larvas.

Aujourd'hui en France recomenda o uso de preservativo nas zonas infectadas, a fim de proteger as mulheres contra a gravidez, neste momento de propagação exponencial da epidemia. A camisinha, segundo o jornal, que é a melhor proteção contra a Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis, agora mostra sua utilidade contra o zika. Além de todas as medidas anunciadas nos últimos dias pela OMS, Aujourd'hui en France destaca que a agência francesa de biomedicina está recomendando aos homens para adiar doações aos bancos de esperma.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.