Acessar o conteúdo principal

Tribunal da Venezuela aprova decreto de emergência econômica no país

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela
Nicolás Maduro, presidente da Venezuela AFP/PRESIDENCIA/AFP

A Sala Constitucional do Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela aprovou o Decreto de Emergência Econômica que há poucas semanas havia sido vetado pela Assembleia Nacional. Quem comemorou a decisão foi o presidente, Nicolás Maduro, ao informar que ativará um conjunto de medidas “em benefício do povo”. De acordo com críticos, o decreto será usado para dar poderes especiais ao presidente que voltará a legislar por decreto, o que  deslegitima o Poder Legislativo eleito popularmente em dezembro do ano passado.

Publicidade

Elianah Jorge, correspondente da RFI Brasil em Caracas

O argumento da Sala Constitucional foi que o Legislativo não cumpriu os prazos para rejeitar a resolução. A sentença aponta que o “controle político da Assembleia Nacional sobre os decretos que declaram Estado de Exceção não afetam a legitimidade, validez, vigência e eficácia jurídica dos mesmos”. Para alguns juristas, o texto desconhece o papel do Parlamento em relação aos Poderes de um Estado democrático.

O presidente da Assembleia Nacional, o opositor Henry ramos Allup, foi intimado a comparecer ao Tribunal Supremo de Justiça porque o Parlamento vulnerou a Lei Orgânica sobre Estados de Exceção.

Este é o mais intenso choque de poderes desde que a Assembleia Nacional assumiu com os deputados escolhidos pela população.

A decisão unilateral do Supremo foi anunciada no mesmo dia em que Leonel Fernández, o chefe da Missão Eleitoral da União de nações Sul-americanas, Unasul, entregou um relatório informando que o processo do plebiscito foi transparente.

Na quinta-feira o deputado opositor Julio Borges um projeto de lei para promover a produção nacional que seja declarada uma emergência alimentar, tendo em vista que diariamente centenas de venezuelanos fazem filas para comprar itens da cesta básica, muitas vezes sem ter sucesso.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.