Acessar o conteúdo principal
EUA/Coreia do Norte

Coreia do Norte considera sanções dos EUA uma declaração de guerra

Para o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, sanções dos EUA como ele e seus próximos são uma declaração de guerra.
Para o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, sanções dos EUA como ele e seus próximos são uma declaração de guerra. REUTERS/KCNA

A Coreia do Norte afirmou que as novas sanções impostas contra seu líder, Kim Jong-Un, por parte dos Estados Unidos, supõe uma "declaração de guerra". O regime de Pyongyang prometeu tomar fortes medidas de represália.

Publicidade

A decisão de Washington constitui uma "aberta declaração de guerra" contra a Coreia do Norte, afirmou o ministro norte-coreano das Relações Exteriores, em um comunicado difundido pela agência de notícias oficial do regime. "Os Estados Unidos se atreveram a desafiar nossa máxima autoridade, cometendo o ato mais hostil, que vai além do confronto pelo suposto tema dos direitos humanos”, afirma o texto.

Em sua primeira reação, Pyongyang exigiu que Washington suprimisse as sanções, advertindo que a Coreia do Norte iria interromper todas as vias diplomáticas caso contrário. "Agora que os Estados Unidos fizeram uma declaração de guerra contra nós, todos os temas que surgirem em relação aos Estados Unidos serão imediatamente tratados de acordo com as leis em tempos de guerra da RPDC", a República Popular e Democrática da Coreia, acrescenta o texto, usando as siglas oficiais da Coreia do Norte.

Violação dos direitos humanos

Na véspera, Washington anunciou sanções financeiras contra o líder norte-coreano e outros dez funcionários de seu regime comunista por violações dos direitos humanos. Kim foi colocado pela primeira vez na lista negra do Departamento de Tesouro e seus eventuais ativos nos EUA seriam congelados após um relatório do Departamento de Estado denunciar "graves violações dos direitos humanos na Coreia do Norte".

"Sob o comando de Kim Jong-un, a Coreia do Norte segue causando intolerável crueldade e penúria a milhões de pessoas de seu próprio povo, incluindo execuções extra-judiciais, trabalhos forçados e tortura", disse Adam Szubin, subsecretário do Tesouro para o Terrorismo e Inteligência Financeira.

Entre os funcionários também sancionados estão o ministro norte-coreano da Segurança, Choe Pu Il, seu conselheiro Ri Song Chol e o diretor do Ministério de Segurança do Estado, Kang Song Nam. Cinco entidades, entre elas o ministério encarregado da censura, também foram incluídos na lista negra americana.

A Coreia do Norte já é alvo de sanções internacionais, e especialmente americanas, por seu programa nuclear e de mísseis balísticos.

(Com informações da AFP)
 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.