Acessar o conteúdo principal

Cubanos celebram os 90 anos de Fidel Castro em ritmo de Carnaval

Fidel Castro comemora 90 anos
Fidel Castro comemora 90 anos ADALBERTO ROQUE / AFP

Milhares de cubanos começaram a festejar na madrugada deste sábado (13), na avenida beira-mar de Havana, os 90 anos do líder Fidel Castro. 

Publicidade

À meia-noite, na praça em frente à Embaixada dos Estados Unidos, reaberta há um ano,  uma orquestra tocou "Parabéns Pra Você" em homenagem ao ícone da Revolução Cubana de 1959. Bandas de salsa e carros alegóricos com dançarinos desfilaram pela avenida Malecón.

Fidel Castro renunciou ao poder em 2008, que foi assumido por seu irmão, Raul, devido a problemas de saúde. Mas conserva o título de líder histórico. Não está prevista a sua participação nas comemorações, mas ele deve se encontrar com o presidente venezuelano Nicolas Maduro, que chegou nesta manhã à capital cubana.

Nada de estátuas

Uma das primeiras medidas de Fidel após o triunfo da revolução foi que não haveria estátuas nem ruas com seu nome. Mas, paradoxalmente, ele se tornou a imagem da Cuba rebelde que atrai o turismo.

Apenas outro ícone da gestão revolucionária, Ernesto "Che" Guevara, executado há 48 anos na Bolívia, compete com a imagem do comandante.

Aposentado há 10 anos, Fidel Castro é praticamente inacessível. Só recebe visitas esporádicas de personalidades em sua casa em Havana, que poucos conseguem localizar, e são ainda mais escassas suas aparições públicas ou fotos tiradas recentemente.

Uma presença discreta que contrasta com as cinco décadas em que esteve à frente da ilha socialista, exercendo uma liderança onipresente, antes de ficar doente e ceder o poder a seu irmão Raúl.

Gerações de cubanos cresceram com a imagem e presença próxima de Fidel, o mesmo que pregou sua rejeição ao "culto à personalidade".

"Sou hostil com tudo o que possa parecer um culto a pessoas, e não há uma só escola, fábrica, hospital ou edifício que leve meu nome. Não há estátuas nem praticamente retratos meus", disse Castro ao jornalista francês Ignacio Ramonet em um livro de conversas publicado em 2006.

Imagem escapou das suas mãos

Mas o líder da revolução não pôde evite que sua imagem lhe escapasse das mãos. "Fidel é um paradigma que sempre continuará vivo para todos os cubanos", afirma Celia Gómez, uma psicóloga de 27 anos.

Gómez conversou com a agência France Presse na praça da revolução de Sancti Spíritus, 350km a leste de Havana, diante de um cartaz com três fotos do comandante: o jovem impetuoso, o estadista sereno de meia-idade e o idoso.

Em Cuba há um Fidel para todos. Inclusive nas semanas que antecederam o seu aniversário de 90 anos, os meios tradicionais da ilha, sob o poder do Estado, estimularam a campanha "Fidel entre Nós", uma mostra de artigos, fotos, documentários e entrevistas relacionadas ao ex-presidente.

O aniversário serviu até para que uma universidade da província de Santa Clara anunciasse, em 17 de julho, o lançamento de um aplicativo com o mesmo lema, com dados biográficos, frases e anedotas, apesar do restrito acesso à Internet na ilha.

Após Fidel Castro

Em Cuba existem 285 museus, e nenhum deles é dedicado a Fidel Castro, mas sua presença está em dezenas deles.

No museu da revolução, em Havana, pode-se ver algo semelhante a um busto do nonagenário líder: uma pequena escultura que o mostra junto a "Che" e Camilo Cienfuegos, o outro herói da revolução de 1959, que morreu nesse mesmo ano em um acidente de avião.

Nos museus também é possível explorar passagens de sua vida em sua casa em Birán, na província de Holguín; no antigo quartel Moncada, em Santiago de Cuba; e no apartamento de O e 25, em Havana, onde preparou o frustrado ataque contra o destacamento militar.

No museu de Praia Girón, há armas, uniformes e fotos da invasão da Baía dos Porcos, onde Fidel Castro derrotou pouco mais de um milhão de exilados cubanos armados pelos Estados Unidos, que invadiram a ilha em 1961.

Americanos se interessam pela revolução

Com o desfecho diplomático entre Havana e Washington, em 2015, a história da revolução, indissociável da de Fidel, interessa aos americanos que visitam Cuba.

"Por muitos anos, ouvimos falar sobre Cuba e a Revolução e queríamos ver com nossos próprios olhos como era a realidade", disse a professora aposentada americana, Jacqueline Rubio, de 72 anos.

Rubio foi uma das quase 2 mil visitantes que conheceram o complexo de Ernesto "Che" Guevara em Santa Clara, centro da ilha.

No primeiro semestre, 185.853 estrangeiros, incluindo 9.835 americanos, visitaram o local onde estão os restos do companheiro de Fidel, segundo sua diretora Maira Romero. Os números representam um aumento de 100 mil visitantes estrangeiros em relação ao mesmo período de 2015.

Em sua primeira viagem a Cuba, Diego Ceboy, 32 anos, e Lobrien González, 31 anos, um casal de engenheiros espanhóis da Galícia, fizeram uma turnê pelos pontos emblemáticos da Revolução: Havana, Cienfuegos, Trinidad e Santa Clara.

"Somos de um povoado próximo ao do pai de Fidel, Láncara-, deve estar a uns 50km", disse Lobrien. "Temos visto fotos de galegos em Havana e ficamos animados por saber que Fidel tem origens galegas", ressalta.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.