Acessar o conteúdo principal
México/narcotráfico

Morte de repórter especializado em narcotráfico gera protestos no México

O jornalista Javier Valdez foi morto pelo narcotráfico
O jornalista Javier Valdez foi morto pelo narcotráfico REUTERS/Jesus Bustamante

Diversas manifestações acontecem no México nesta terça-feira (16) em protesto ao assassinato do jornalista Javier Valdez, que trabalhava há dez anos para a agência AFP. Ele era especialista em crime organizado e sua morte provocou uma onda de indignação em todo o país.

Publicidade

Valdez, 50 anos, foi baleado na última segunda-feira (15) ao meio-dia em Culiacán, capital do estado de Sinaloa (noroeste), perto dos escritórios do jornal "Ríodoce". O diário foi fundado por ele em 2003 e se converteu em uma plataforma de crítica à violência provocada pelo narcotráfico. Valdez também era correspondente do jornal mexicano "La Jornada".

O repórter dedicou grande parte de suas quase três décadas de carreira à investigação das atividades dos cartéis, em especial ao liderado há até pouco tempo pelo sanguinário Joaquín "El Chapo" Guzman. Sempre soube do risco que corria."Em Culiacán, Sinaloa, é perigoso estar vivo e fazer jornalismo é caminhar sobre uma invisível linha marcada pelos criminosos que integram o narcotráfico e o governo", disse em 2011, quando recebeu o Prêmio Internacional da Liberdade de Imprensa do Comitê para a Proteção de Jornalistas (CPJ).

"Ser jornalista é estar em uma lista negra"

Durante uma das apresentações de seu último livro, "Narcojornalismo, a imprensa em meio ao crime e à denúncia", também reconheceu que "ser jornalista é como formar parte de uma lista negra. Eles decidirão, embora você tenha blindagem e escoltas, o dia de sua morte".

O jornalista é o quinto repórter assassinado neste ano no México, o terceiro país mais perigoso do mundo para exercer esta profissão, segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

Nesta terça-feira (16), uma grande manifestação será organizada por várias associações de jornalistas na Cidade do México e em diferentes pontos de Sinaloa, onde colegas e amigos pedirão justiça.

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.