Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Mais de 30 mulheres já denunciaram Harvey Weinstein, caso não é isolado

Áudio 00:06
A polícia de Nova York informou, nesta quinta-feira (12), que investiga uma denúncia de abuso sexual apresentada contra o produtor de Hollywood Harvey Weinstein em 2004.
A polícia de Nova York informou, nesta quinta-feira (12), que investiga uma denúncia de abuso sexual apresentada contra o produtor de Hollywood Harvey Weinstein em 2004. REUTERS/Andrew Kelly/File Photo

Hollywood vive um dos maiores escândalos de todos os tempos com as denúncias de abuso sexual - que não param de aparecer - envolvendo o magnata Harvey Weinstein. Por mais de 30 anos, dezenas de mulheres foram constrangidas, chantageadas e abusadas por ele que é um dos maiores produtores de cinema do mundo.

Publicidade

Pelo menos trinta mulheres já se juntaram ao coro. Elas dizem que foram abusadas, atacadas, constrangidas, estupradas ou chantageadas. Muitas delas tiveram inclusive a carreira abalada ou interrompida por não ceder à pressão e às investidas de Harvey Weinstein. As últimas atrizes que contaram suas histórias foram Kate Beckinsale, Cara Delevingne e Claire Forlani.

Lembrando que Angelina Jolie, Gwyneth Paltrow e Mira Sorvino também contaram que sofreram abusos, além das três atrizes francesas Judith Godrèche, Léa Seydoux e Florence. Os principais festivais de cinema, de Cannes, Veneza, Toronto, Berlin e a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas emitiram comunicado condenando o comportamento inaceitável de Weinstein.
 

Democratas se dizem chocados

Hillary Clinton e Barack Obama também se manifestaram, se dizendo chocados com essas histórias repugnantes, pedindo justiça e parabenizando as mulheres que tiveram coragem de se manifestar. O produtor e magnata é um dos grandes financiadores do partido democrata, doou dinheiro para as campanhas de Hillary e Obama, e Malia, filha de Obama, foi estagiária da produtora de filmes de Weinsten.

De acordo com vários relatos, a fama dele era conhecida por muita gente - e era descrito inclusive por seu comportamento predatório. As histórias se repetiam: dele convidar atrizes pra ir nos quartos de hotéis e daí por diante seguiam abusos, ameaças de perda de emprego caso não fizessem o que ele queria.

Weinstein, em uma declaração, disse que ele faz parte de uma geração criada nos anos 60 e 70 quando isso tudo era permitido. Sempre teve muito dinheiro em jogo, medo, poder, se sentia acima do bem e do mal e ia comprando tudo e todos. Ele também é conhecido por inclusive plantar histórias nos meios de comunicação sobre as pessoas que não jogavam o jogo dele. Weinstein intimidou suas vítimas pra ficarem em silêncio e usou sua influência para manter denúncias fora das manchetes.

Polícias investigam nos EUA e na Europa

Polícias dos dois lados do Atlântico já entraram nas investigações. A de Nova York está interrogando as 13 mulheres que deram entrevista pra revista New Yorker e que disseram que sofreram algum tipo de abuso e até estupro e também está reabrindo dois casos, um de 2004 e um de 2015, que relatavam abusos por parte de Weinstein.

Já a Scotland Yard anunciou que recebeu um relatório de um suposto ataque sexual na área de Londres na década de 1980. Harvey Weinstein, segundo a imprensa americana, se internou em um hotel 5 estrelas no Arizona e não foi pra uma clínica de reabilitação comum porque não queria ficar em um local onde não pudesse usar o celular.

Outros casos

Esperamos que todas as mulheres que um dia foram abusadas tenham realmente coragem de falar, mas também em qualquer outra situação, pois sabemos que esse não é um caso isolado, infelizmente.

Nesta quinta-feira (12), a gigante Amazon demitiu o executivo Roy Price por ter assediado a produtora Isa Hackett. Isa veio a público e disse que foi assediada em 2015, mas só agora teve coragem de falar sobre a violência que sofreu, inspirada por essas mulheres corajosas.

A modelo Carrie Stevens também falou nessa quinta, que há mais de 20 anos foi atacada pelo aclamado diretor Oliver Stone: “em uma festa ele veio e simplesmente agarrou os meus seios”, disse ela. Então virou um efeito dominó.

A atriz Rose McGowan disse que foi estuprada por Weinstein e acusou, via Twitter, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, de ser “cúmplice” de Weinstein, pois contou que ele sabia de tudo.

Talvez estejamos assistindo a uma mudança cultural mais do que necessária. Aqui nos Estados Unidos nos últimos anos vimos o fundador da Fox, Roger Ailes, cair por assédio. O ator Bill Cosby está respondendo processo por ter assediado 35 mulheres e há ainda outros casos de poderosos que despencaram de seus postos por causa da coragem de mulheres que resolveram enfrentar o medo e o poder, em busca de justiça.

Que a coragem só aumente daqui pra frente – não só das mulheres, mas que homens que assistem a esse tipo de comportamento também denunciem. Assim poderemos quem sabe ter realmente uma mudança na indústria do cinema – sempre dominada por homens poderosos, tanto na direção de estúdios, filmes, ou nos papéis principais quanto nas histórias levadas ao público, em geral. E todos nós sabemos que esses casos também não são nenhuma exclusividade de Hollywood.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.