Acessar o conteúdo principal
Haiti

Revolta contra presidente do Haiti, acusado de corrupção, provoca caos no país

Manifestantes tomam as ruas da capital do Haiti
Manifestantes tomam as ruas da capital do Haiti REUTERS/Jeanty Junior Augustin

As ruas de Port-au-Prince, capital do Haiti, foram palco de novos confrontos violentos nesta quarta-feira (13). Há uma semana várias cidades do país assistem a protestos populares contra o presidente, Jovenel Moise, acusado de corrupção. Pelo menos seis pessoas morreram desde o início das manifestações.

Publicidade

Os manifestantes exigem que o chefe de Estado, no poder há dois anos, renuncie. A população estima que o presidente não cumpriu suas promessas de campanha e que a situação de pobreza no país se agravou desde que ele foi eleito.

Mas a revolta se intensificou após a revelação de que pelo menos US$ 2 bilhões teriam sido desviados do programa Petrocaribe por membros do governo. O fundo recebe petróleo fornecido pela Venezuela ao Haiti e a outros países caribenhos e da América Central a preços reduzidos e em condições de crédito favoráveis durante anos. Até agora o governo não reagiu às acusações e não se posicionou diante das manifestações.

As principais atividades do país foram paralisadas pelos protestos e várias cidades estão tomadas por barricadas. “Um governo que não pode dar comida e água para seu povo deve pedir demissão”, gritavam os manifestantes.

Para piorar a situação, na terça-feira (12), 78 detidos da prisão da cidade de Aquin, no sul do país, conseguiram escapar. Segundo testemunhas, uma manifestação contra o presidente Moise estava sendo realizada em frente à delegacia vizinha ao estabelecimento penitenciário no momento da fuga

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.