Acessar o conteúdo principal
Acidente/Voo 447

Pilotos da Air France denunciam má formação, afirma Le Figaro

Capa dos principais jornais franceses
Capa dos principais jornais franceses A. DE FREITAS

O acidente com o voo 447 e as manobras realizadas pelos pilotos do avião causam, cada vez mais, mal-estar dentro da Air France. Segundo matéria publicada neste sábado pelo jornal francês Le Figaro, os pilotos da companhia aérea francesa denunciam má formação para situações como a vivida pelo voo 447, que caiu no oceano Atlântico no dia 31 de maio de 2009, quando voava em altitude de cruzeiro, causando a morte de 228 pessoas.

Publicidade

O artigo relata as decisões tomadas pela equipe de pilotagem da aeronave e conclui, segundo conversas com pilotos da Air France e gravações das caixas-pretas do avião, que o mais provável é que os pilotos do voo 447 não se deram conta de que a aeronave havia perdido sustentação e que estava prestes a cair.

Toda a complicação gira em torno das decisões tomadas pelos pilotos. A companhia aérea Air France não tinha, até o acidente com o voo 447, um procedimento padrão obrigatório para caso de perda de sustentação de aeronaves em altitudes de cruzeiro.

O que existia era uma recomendação, mas ela não fazia parte dos procedimentos que deveriam ser conhecidos de cor e com antecedência pelos pilotos. Foi somente após o acidente com o voo 447 que a companhia decidiu generalizar a formação para casos similares, submetendo todos os pilotos a exercícios de simulação.

Uma das fontes ouvidas pelo jornal Le Figaro diz que é certo que as investigações vão concluir que a tripulação teve uma responsabilidade forte na queda do avião. Mas a maioria dos pilotos interrogados pelo jornal francês afirmam que, caso tivessem sido melhor formados, o drama poderia ter sido evitado.

Os dados revelados pelas caixas-pretas do voo 447 indicam que os chamados tubos de pitot, que medem as velocidades das aeronaves em voo, enviaram informações contraditórias à cabine que teriam induzido a erros de pilotagem.

Quando o alarme Stal, de perda de sustentação, disparou pela primeira vez, os pilotos decidiram empinar o nariz do avião para ganhar altitude, quando, teoricamente, o procedimento seria o inverso, ou seja, baixar o nariz do avião para ganhar velocidade e recuperar assim a força de sustentação da aeronave.

Segundo o Figaro, os investigadores do acidente do voo 447 terão que dizer se as informações contraditórias indicadas na cabine levaram os pilotos a uma interpretação equivocada ou se o erro se deve totalmente aos pilotos.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.