Acessar o conteúdo principal
Negócios

Fracassa a negociação da dívida da OGX com os credores

Eike Batista faz o legendário "X" com as mãos em maio de 2013 durante o anúncio da venda de parte de um dos campos de exploração de óleo na costa do Brasil para uma petroleira da Malásia.
Eike Batista faz o legendário "X" com as mãos em maio de 2013 durante o anúncio da venda de parte de um dos campos de exploração de óleo na costa do Brasil para uma petroleira da Malásia. Youtube/AFP

A empresa de petróleo OGX, do empresário Eike Barista, não conseguiu renegociar a dívida com seus credores. Ao todo, são US$ 3,6 bilhões (R$ 7,8 bilhões) em bônus da dívida com vencimento em 2018 e 2022.

Publicidade

Após meses de conversas, as negociações entre a OGX e seus credores fracassaram, segundo um comunicado divulgado na madrugada desta terça-feira. “A OGX Petróleo e Gás anuncia que terminaram as discussões com os detentores de papéis [da dívida da empresa], mas nenhum acordo foi concluído”, diz o texto.

Na quinta-feira, vence o prazo da empresa para apresentar um pedido de recuperação judicial. Esse recurso ofereceria à companhia do ex-bilionário brasileiro um período de 180 dias – prorrogável por mais 180 – para apresentar um plano de reestruturação e quitação dos débitos pendentes.

As negociações entre os dois lados foram marcadas por problemas. Luiz Carneiro, presidente da empresa desde 2012 foi demitido neste mês quando tentava reestruturar o pagamento das dívidas da empresa com os bancos credores.

O declínio da empresa petroleira começou em meados do ano passado. A holding, fundada em 2007, teve que rever para baixo as metas de produção do campo de petróleo de Tubarão Azul, considerado uma das maiores apostas do grupo. Desde então, a empresa não parou de perder valor de mercado. Segundo a consultoria Economatica, a OGX era avaliada em US$ 14,1 bilhões (R$ 30 bilhões) em 2012. No começo de setembro deste ano, ele valia apenas US$ 1,2 bilhão (R$ 2,6 bilhões).

No ano passado, Eike Batista, 56 anos, era o homem mais rico do Brasil e sétimo colocado no ranking mundial de bilionários. Segundo o empresário, seu sonho era se tornar o mais rico do mundo. Em um ano e meio, porém, a fortuna de Batista derreteu, passando de US$ 30 bilhões (R$ 65, 4 bilhões) para US$ 900 milhões (R$ 1,9 bilhão).

 

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.