Acessar o conteúdo principal
Vaticano/Brasil

Emoção toma conta de fiéis brasileiros durante canonização de João Paulo II e João XXIII

O papa emérito Bento XVI chegou cedo para a cerimônia de canonização no Vaticano.
O papa emérito Bento XVI chegou cedo para a cerimônia de canonização no Vaticano. REUTERS/Stefano Rellandini

"Declaramos e definimos como santos os beatos João XXIII e João Paulo II e os inscrevemos no Catálogo dos Santos, e estabelecemos que em toda a Igreja sejam devotamente honrados entre os Santos". Assim, o papa Francisco pronunciou a fórmula em latim no início da cerimônia de canonização realizada neste domingo (27), no Vaticano. Brasileiros que foram a Roma participaram da cerimônia com alegria e devoção.

Publicidade

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

“Que cansaço nada. Eu vim de Contagem, em Minas Gerais, para este dia tão glorioso. Vim conhecer o papa Francisco”, disse à reportagem da RFI a jovem Maria da Cruz, que estava acompanhada por um grupo animado com pessoas de diversas cidades do Brasil.

“Estou feliz , pois agora a Igreja Católica ganhou mais dois santos intercessores. Quer melhor coisa do que isso? O papa João Paulo II é uma benção para nós. Quem conviveu, vivenciou tudo o que ele fez, tudo o que ele viveu com a gente, principalmente durante sua visita ao Brasil”, contou Maria Euvira Guardina, que veio de São Paulo junto com uma amiga especialmente para esta ocasião.

Durante a homilia, o papa Francisco definiu João XXIII como o “papa da docilidade” e João Paulo II, “papa da família”. “João Paulo II é o intercessor das nossas famílias. Ele também fez a unidade das Igrejas cristãs. O carisma dele é muito brasileiro mesmo”, disse Euvira Guardina sorrindo.O polonês Pawel Rzepczak começou a chorar. Ele estava entre os milhares de fiéis que vieram da Polônia especialmente para assistir a canonização de Karol Wojtyla na Praça São Pedro. “Para mim ele já era um santo. A vida de João Paulo II foi iluminada por Deus”, disse o fiel polonês.

Nos arredores do Vaticano, a maioria das bandeiras eram brancas e vermelhas, cores da Polônia, país de nascimento de João Paulo II. Porém, as bandeiras verdes e amarelas também estavam na praça São Pedro e se destacavam no meio da multidão.

Muitos fiéis poloneses vieram com seus vestidos e adereços típicos. A praça São Pedro se transformou numa Torre de Babel, entre diversas nacionalidades e línguas, um denominador comum unia estas pessoas: a fé.

Na véspera, muitos grupos quiseram garantir um espaço o mais perto do altar, mas por motivos de segurança a Praça foi esvaziada no fim da tarde do sábado e eles tiveram que varar a madrugada ao relento nas ruas de acesso ao Vaticano. A polícia liberou a entrada às 5h30 da manhã, no horário local, antes do sol nascer. Entre os brasileiros o clima era de festa.

 

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.