Acessar o conteúdo principal
Copa/Riscos

Para agência Fitch, Brasil deve passar em teste dos aeroportos

Obras de ampliação do Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fotaleza.
Obras de ampliação do Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fotaleza. REUTERS/Davi Pinheiro

Os aeroportos brasileiros provavelmente vão conseguir lidar com o tráfego extra de passageiros que será gerado pela Copa do Mundo de futebol, afirmou a agência de classificação de risco Fitch em comunicado nesta segunda-feira (19). Enquanto isso, no México, Pelé declarou concordar com reivindicações sociais no Brasil, mas lamenta que protestos contra o evento possam prejudicar o país.

Publicidade

A agência Fitch afirmou que os aeroportos internacionais de Cuiabá (onde acontecem quatro jogos), Fortaleza (seis jogos) e Confins (seis jogos) "apresentam os mais significativos riscos de atrasos no término de obras até a Copa do Mundo". Segundo a Fitch, o aeroporto de Cuiabá é o que apresenta a situação "mais desafiadora", com apenas 75 por cento das obras programadas completadas.

A agência também comentou que as redes urbanas de transporte público não têm infraestrutura de conexão adequada com os aeroportos e que para acomodar o fluxo de turistas durante os dias de jogos, "cidades como Rio de Janeiro declararam feriados".

Mais escolas e hospitais

As consequências dos protestos contra a Copa do Mundo podem trazer perdas para o Brasil, declarou Pelé, durante entrevista coletiva nesta segunda-feira (19), em Huixquilucan, nos arredores da Cidade do México. “O Brasil precisa de mais escolas e hospitais”, declarou o ex-jogador, mas ele acrescentou estar “muito sentido” com o fato de que o futebol e a seleção brasileira estarem pagando pela “corrupção e pela política”.

O tricampeão de 73 anos acrescentou que esses protestos deveriam ter sido feitos há sete anos, quando a escolha do Brasil foi anunciada. “Não se deve confundir corrupção, política e ladrões que roubaram para construir os estádios com os jogadores”, uma vez que os atletas “promovem o Brasil”, disse Pelé.

O rei do futebol também foi destaque nesta segunda-feira do suplemento esportivo do jornal alemão Bild. "É inaceitável que vários estádios não estejam prontos. Tivemos vários anos (para fazer as obras), bem mais do que o necessário. É uma vergonha", declarou Pelé.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.