Acessar o conteúdo principal
Copa América/Brasil

Brasil estreia neste domingo na Copa América com tarefa de espantar a decepção do Mundial

Neymar e David Luiz treinam no Chile.
Neymar e David Luiz treinam no Chile. REUTERS/Ueslei Marcelino

Um ano depois do vexame na Copa do Mundo em casa, a seleção brasileira estreia neste domingo (14) na Copa América, contra o Peru, em Temuco, na primeira partida oficial da nova era Dunga. Desde que voltou ao comando do time, depois de uma primeira passagem entre 2006 e 2010, o capitão do tetra ostenta 100% de aproveitamento em dez amistosos, com 21 gols marcados e apenas dois sofridos.

Publicidade

Dunga, que já foi campeão da Copa América duas vezes como jogador (1989 e 1997) e uma como treinador (2007), tem no Chile seu primeiro teste de fogo, com a difícil missão de reconquistar a torcida, ainda assombrada com o fantasma do fatídico 7 a 1 contra a Alemanha.

"A Copa América é uma das competições mais difíceis do mundo. Vale lembrar que o Brasil ficou quase 40 anos sem vencer. Ganhei duas como jogador, uma delas em La Paz, na altitude. Isso é para poucos", gabou-se o treinador.

Mesmo assim, apesar dos bons resultados recentes em amistosos, fato é que o prestígio da seleção pentacampeã mundial já não é mais o mesmo. "O Brasil já não é o monstro de antes, não é invencível", provocou o zagueiro do Peru Carlos Zembrano em entrevista à televisão peruana.

Velhos conhecidos

Azarão do grupo C, o Peru parece condenado a brigar pelo terceiro lugar com a Venezuela, atrás dos favoritos Brasil e Colômbia. Para contrariar as previsões, a seleção comandada pelo ex-técnico argentino do Palmeiras Ricardo Gareca aposta justamente num jogador que vem dando o que falar nos dois clubes mais populares do futebol brasileiro, o atacante Paolo Guerrero, ídolo do Corinthians, recém-contratado pelo Flamengo.

O jogador de 31 anos foi o artilheiro da última edição da Copa América, na Argentina, com cinco gols marcados na campanha histórica do seu país, que chegou à semifinais da competição. Os torcedores rubro-negros, inclusive, têm um motivo extra para secar o Peru: o atacante só poderá fazer sua estreia no Brasileirão quando a seleção andina for eliminada na Copa América.

Dunga convocou apenas cinco jogadores que atuam no país (Jefferson, Marcelo Grohe, Elias, Geferson e Robinho), mas conta com um craque que já brilhou muito em campos brasileiros: Neymar.

A hora e a vez de Neymar

O craque do Barcelona ganhou a braçadeira de capitão com a chegada do treinador e foi o grande protagonista das dez vitórias seguidas em amistosos, marcando oito dos 21 gols da seleção. O ex-santista chega embalado ao Chile, com a conquista da 'tríplice coroa' (Liga dos Campeões, Campeonato Espanhol e Copa do Rei) com o clube catalão.

"Vamos sufocar Neymar. Não daremos nenhum espaço. Não podemos deixá-lo pensar, porque é um jogador muito rápido", avisou o zagueiro peruano Carlos Ascues. A última vez que Brasil e Peru se enfrentaram na Copa América foi em 2001, na Colômbia, com vitória brasileira por 2 a 0.

O último confronto foi em 2009, já sob comando de Dunga, nas eliminatórias da Copa do Mundo de 2010. Outro triunfo brasileiro, por 3 a 0, no Beira Rio, com dois gols de Luis Fabiano e outro de Felipe Melo. No retrospecto geral, o Brasil leva ampla vantagem, com 27 vitórias em 39 jogos.
Colômbia favorita contra Venezuela

Antes de Neymar e Guerrero entrarem em campo, será a vez da Colômbia fazer sua estreia na Copa América, contra a Venezuela, às 21h em Paris (16h de Brasília). O Brasil enfrenta o Paraguai às 23h30 de Paris (20h30 de Brasília).

(Com informações da AFP)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.