Acessar o conteúdo principal

Fim de Jogos Paralímpicos encerra ciclo de megaeventos no Brasil

Países agradecem ao Rio pelos Jogos Olímpicos de 2016
Países agradecem ao Rio pelos Jogos Olímpicos de 2016 REUTERS/Pawel

Quando a chama dos Jogos Paralímpicos for apagada neste domingo (18) no Maracanã, terminará oficialmente o ciclo de megaeventos organizados no Brasil, país que agora vive o enorme desafio de sair da crise.

Publicidade

A lista dos super eventos internacionais organizados pelo Brasil é longa: Copa das Confederações e a Copa do Mundo de Futebol, a Cúpula da ONU sobre o Meio Ambiente Rio+20, a Jornada Mundial da Juventude com o papa Francisco, além dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

Mesmo se o contexto político foi complicado e os eventos foram organizados com problemas, atrasos e rejeição popular, o Brasil encarou todos os desafios com sucesso, reunindo muitas pessoas e transcorrendo sem incidentes graves.

Brasil: de potência do futuro a país em crise 

Nos anos que abrangem esse ciclo, que começou em 2007, quando foi escolhido país-sede da Copa do Mundo, o Brasil passou de promissora potência emergente para um país em recessão, que vive uma traumática transição política. Dilma Rousseff foi destituída pelo Senado em um processo que a agora ex-presidente denuncia como "golpe de Estado", e Lula é acusado de corrupção.

O legado da Copa e das Olimpíadas divide muitos brasileiros, entre o alto risco de ver os investimentos milionários em obras esportivas virarem elefantes brancos e as obras de infraestrutura realizadas para transformar algumas cidades, principalmente o Rio. Segurança e desemprego são outros temas que continuarão sendo discutidos quando a chama paralímpica for apagada.

Durante os Jogos, o enviado especial da RFI Brasil, Elcio Ramalho, também constatou a divisão da população do Rio em relação ao próprio evento: "Para muitos cariocas, o evento acentuou os congestionamentos no trânsito, custará caro à cidade, além de trazer benefícios limitados e apenas para uma parcela da população. Muitos ainda acreditam que vão passar vergonha por causa de situações embaraçosas, como as críticas sobre os prédios com vazamento e mal-acabados da Vila dos Atletas, por exemplo. Por outro lado, tem gente que se mostra mais otimista nos últimos dias, com a chegada de turistas e o início das competições. Acham as reclamações exageradas e confiam no sucesso de um evento que desperta paixões e desconfiança",escreveu o jornalista.

Copa deixou "elefantes brancos" como legado

A Copa do Mundo de futebol foi realizada em 12 cidades, algumas sem tradição de futebol, como Brasília, Manaus, Natal e Cuiabá, motivo pelo qual vários dos estádios construídos se transformaram em elefantes brancos. Não têm equipes da primeira divisão e lotá-los é quase impossível, o que gera perdas pelo alto custo de operação. O montante de R$ 8 bilhões investido nos estádios foi um dos principais motivos que levaram milhares de pessoas às ruas para protestar por maiores investimentos em transporte, saúde e educação. No total, a Copa do Mundo custou R$ 25,5 bilhões aos cofres públicos e foi a edição mais cara da história.

Já os Jogos Olímpicos custaram R$ 38 bilhões, menos do que Londres-2012 e Pequim-2008. Os organizadores ainda comemoram o fato de 57% do orçamento desse evento esportivo ter vindo do setor privado.

As autoridades repetem ainda, vez ou outra, que o legado dos Jogos não vai virar um elefante branco. O jornalista Elcio Ramalho lembra que o prefeito do Rio, Eduardo Paes, e o ministro dos Esportes, Leonardo Picciani, apresentaram um plano conjunto de utilização e manutenção das instalações esportivas pós-Olimpíadas e Paralimpíadas: "Eles detalharam uma projeção para o futuro dos dois principais Parques Olímpicos, o da Barra e o de Deodoro, que deverão integrar a Rede Nacional de Treinamento criada pelo Ministério dos Esportes para promover a prática desportiva e investir em atletas de alto rendimento. No Parque de Deodoro, os ministérios da Defesa e da Educação devem desenvolver programas e garantir a manutenção que irá custar R$ 46 milhões por ano aos cofres públicos. No caso do Parque da Barra, uma parceria público-privada, a prefeitura do Rio ainda precisa encontrar parceiros interessados em investir no local. A prefeitura vai gastar R$ 13 milhões por ano para manter a estrutura, um montante considerado pequeno pelo município, se comparado com os benefícios, segundo Eduardo Paes. Ele diz que não haverá elefantes brancos e que os brasileiros deverão ter orgulho do legado social dos Jogos. Mas reconheceu que a promessa não cumprida de despoluir a Baía da Guanabara é o ponto negativo da Rio 2016", finaliza Ramalho.

Famílias pobres removidas para os megaeventos

Os Jogos eram outra chance para transformar a cidade, que continua com altos índices de violência e inquietam os cariocas. Foi feita uma ampliação e modernização do sistema de transporte público (de 18% anteriormente, 63% passarão a usá-lo), construíram-se novas avenidas e viadutos, mais moradias sociais e escolas, assim como foram renovados os espaços públicos como, por exemplo, a Praça Mauá.

Organizações críticas, como o Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas, garantem que os megaeventos serviram para que fosse feita uma "limpeza social" na cidade. Entre 2009 e 2015, 22.059 famílias foram removidas, muitas delas de áreas próximas às vias e instalações olímpicas.

Com o fim das obras olímpicas, cerca de 30.000 trabalhadores também passaram a engrossar as fileiras de desempregados. As projeções indicam que a crise econômica está diminuindo e que os efeitos devastadores que muitos previam podem ser menores. Se o Brasil ganhou ou perdeu com os megaeventos, apenas o tempo dirá.

(Informações da AFP e RFI)

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.