Acessar o conteúdo principal

Mercosul se reúne em meio à tensão com Venezuela e preocupação com Brasil

A chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, promete apareser na reunião do Mercosul, nesta quarta-feira (14) em Buenos Aires, apesar de seu país ter sido suspenso do bloco.
A chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, promete apareser na reunião do Mercosul, nesta quarta-feira (14) em Buenos Aires, apesar de seu país ter sido suspenso do bloco. Reuters

Em meio à tensão com a Venezuela e à preocupação com a crise brasileira, os países do Mercosul se reúnem em Buenos Aires. Para evitar tensão ainda maior, pela primeira vez na história, a reunião não conta com a participação dos presidentes dos países do bloco. Apenas os ministros das Relações Exteriores estão em Buenos Aires. A reunião do Mercosul vai oficializar o começo da presidência rotativa da Argentina pelos próximos seis meses, a partir de 1 de janeiro.

Publicidade

Márcio Resende, correspondente em Buenos Aires

No Palácio San Martín, sede da Diplomacia argentina, os chanceleres de Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai vão discutir estratégias para tornar o Mercosul um bloco mais dinâmico. Internamente, uma das pistas é a eliminação de barreiras técnicas que emperram o comércio. Externamente, se busca a aceleração de negociações com outros países ou blocos.

Para o Mercosul, a chegada de Donald Trump à Presidência dos Estados Unidos é uma janela de oportunidade. Segundo os negociadores, Trump deve representar mais protecionismo e um freio nas negociações de livre comércio entre Europa e Estados Unidos. O Mercosul pretende tirar proveito dessa situação para acelerar um acordo comercial com a União Europeia.

“A chegada de Trump pode interromper as negociações entre os Estados Unidos e a União Europeia. Queremos aproveitar a oportunidade para movimentar a agenda do Mercosul o mais rápido possível”, indicou na semana passada a chanceler argentina, Susana Malcorra.

Tensão com Venezuela

Do lado de fora da reunião, a situação promete ser tensa. Organizações de esquerda anunciam manifestações contra a decisão dos quatro países fundadores do Mercosul de suspenderem a Venezuela do bloco desde o último dia 2. A ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodríguez, considera a decisão "ilegal" e, apesar da suspensão, promete aparecer na reunião. Os demais países já avisaram que ela não foi convidada e que não vão aceitar a presença da Venezuela.

"Ela (Delcy Rodríguez) não está convidada. O governo venezuelano não está convidado", avisou o chanceler paraguaio, Eladio Loizaga. Se a chanceler venezuelana aparecer, ela poderá ter uma reunião bilateral com a sua colega argentina, Susana Malcorra, mas não participar da reunião do bloco, aponta Loizaga. "Não vai participar. Se quiser participar, nós não vamos aceitar. É uma decisão tomada", concluiu o ministro paraguaio.

Na terça-feira, o coordenador nacional da Venezuela no Mercosul, Héctor Constant, foi impedido de entrar em uma reunião técnica dos coordenadores nacionais do Mercosul.

Preocupação com Brasil

Outra preocupação é quanto a uma possível piora econômica no Brasil, caso a crise política afete a governabilidade do presidente Michel Temer após novas revelações no âmbito da Operação Lava Jato. É que as economias dos demais membros do Mercosul dependem diretamente do Brasil.

A Argentina, por exemplo, tem no mercado brasileiro 40% de todas as suas exportações. Quanto mais a recuperação econômica brasileira demorar, mais impacto continuará tendo na recuperação da Argentina. Isso pode complicar os planos políticos do governo de Mauricio Macri num ano de eleições legislativas.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.