Acessar o conteúdo principal
COI/Rio 2016

COI promete investigar denúncias contra Nuzman e compra de votos para Rio 2016

Jogos Olímpicos Rio2016
Jogos Olímpicos Rio2016 facebook.com/rio2016

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, negou nesta segunda-feira (11) haver "responsabilidade coletiva" no escândalo de corrupção para a atribuição da sede dos Jogos Olímpicos de 2016 ao Rio de Janeiro.

Publicidade

"Não há nenhuma responsabilidade coletiva, porque são atos que foram cometidos por uma só pessoa que vai contra o interesse da organização", afirmou Bach em coletiva de imprensa em Lima, no Peru, onde o COI irá confirmar Paris e Los Angeles como sedes dos Jogos Olímpicos de 2024 e 2028, respectivamente.

Na semana passada, as autoridades brasileiras realizaram uma grande operação contra Carlos Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e membro honorário do COI, suspeito de ter organizado um esquema de compra de votos para que o Rio de Janeiro fosse escolhido sede dos Jogos de 2016.

Denúncias serão esclarecidas, promte Bach

Bach reiterou que o COI tomará as medidas necessárias quando o Comitê de Ética da entidade receber das autoridades brasileiras as provas das acusações que pesam sobre Nuzman.

"Nos encontramos diante de denúncias contra Nuzman e isso tem que ser esclarecido e depois serão tomadas as devidas ações", refirmou o presidente do COI.

Ao ser questionado sobre a imagem do COI após o escândalo, Bach garantiu que "nenhuma organização do mundo está imune de problemas de credibilidade". Nesta quarta-feira, a 131ª sessão do COI definirá a dupla atribuição dos Jogos Olímpicos para Paris-2024 e Los Angeles-2028 pela primeira vez na história.

(com informações da AFP)

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.