Acessar o conteúdo principal
Linha Direta

Renegociação do acordo sobre Itaipu não põe fim à crise política no Paraguai

Áudio 05:50
Brasil e Paraguai cancelaram o acordo sobre Itaipu que causou uma crise política em Assunção.
Brasil e Paraguai cancelaram o acordo sobre Itaipu que causou uma crise política em Assunção. NORBERTO DUARTE / AFP

A crise política não dá trégua em Assunção, mesmo após o cancelamento do acordo sobre Itaipu entre o Brasil e o Paraguai que evitou a abertura do processo de impeachment do presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez. Agora um novo acordo precisará ser negociado, com riscos para ambos os países.

Publicidade

Márcio Resende, correspondente da RFI

Quando o processo de impeachment do presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, estava a ponto de ser deflagrado, o governo do Paraguai cancelou o acordo com o Brasil sobre Itaipu na quinta-feira (1°).

O risco de impeachment, por enquanto, foi afastado. Para isso, foi crucial a amizade entre os presidentes Jair Bolsonaro e Mario Abdo Benítez.

O Brasil concordou com o cancelamento do acordo para evitar a queda do presidente paraguaio. Mas o acordo considerado "uma traição à pátria" pela população do Paraguai é o pivô de uma crise política e um novo compromisso precisará ser negociado.

Amizade e pressão diplomática

O Brasil desempenhou um papel de amizade, mas também fez pressão diplomática, visando sempre que o presidente Mario Abdo continuasse no poder.

O governo paraguaio queria que o Brasil apoiasse a anulação do acordo com uma manifestação pública. Mas o governo brasileiro, embora estivesse a favor do cancelamento para salvar o presidente paraguaio, preferiu que a decisão fosse unilateral.

Para o Brasil, o acordo sobre Itaipu era positivo. Ou seja: Brasília queria o tratado, mas não queria que ele fosse o pretexto para retirar do poder o presidente Mario Abdo, um aliado do presidente Bolsonaro.

O presidente paraguaio anunciou o fim do acordo. Com isso, conseguiu desarticular o processo de destituição que começaria na mesma hora. No entanto, não conseguiu terminar com uma crise político-institucional.

Sem quebra da ordem democrática

O Itamaraty divulgou uma nota, aparentemente escrita pelo próprio chanceler Ernesto Araújo, a pedido do presidente Jair Bolsonaro, na qual o Brasil fez uma sutil advertência. A nota diz que "o Brasil confia que o processo no Paraguai seja conduzido “sem quebra da ordem democrática" e recorda a chamada "cláusula democrática do Mercosul".

Ou seja: diplomaticamente, o Brasil adverte que um impeachment do presidente Mario Abdo poderia ser interpretado como "ruptura da ordem democrática" e que o Paraguai poderia ser suspenso do Mercosul. Isso já aconteceu em 2012, quando o então presidente Fernando Lugo foi destituído em apenas 36 horas.

A nota também ressalta a "inteira convergência" e a "excelente relação pessoal" entre os presidentes Jair Bolsonaro e Mario Abdo. E ainda afirma que o Brasil espera que essa relação possa prosseguir.

No Paraguai, um processo de impeachment pode demorar menos de 24 horas porque basta uma votação na Câmara de Deputados e outra no Senado. Na quinta-feira, a oposição a Mario Abado já contava com os votos para as duas votações.

Futuro do governo paraguaio

Se o presidente Mario Abdo já não tinha muita força política, agora tem menos ainda e ficou mais dependente do Brasil.

No Paraguai, não existe segundo turno. Mario Abdo ganhou com uma diferença de apenas 3,2 pontos e assumiu, há um ano, sem maioria no Congresso.

A crise política já tinha provocado a renúncia de quatro altos membros do governo, inclusive a do chanceler, Luis Castiglioni.

Outro que agora pode renunciar ou mesmo ser destituído é o vice-presidente paraguaio, Hugo Velázquez, acusado de acordos secretos para vender a energia mais barata a empresas brasileiras no Paraguai que, por sua vez, revenderiam essa energia mais cara a empresas no Brasil.

O presidente paraguaio terá de renegociar o acordo com o Brasil. Se não negociar um acordo favorável ao Paraguai, corre risco político.

Por outro lado, se o governo brasileiro ceder na negociação para ajudar o lado paraguaio, quem ficará mal é Jair Bolsonaro porque são os consumidores brasileiros que pagam a conta de energia mais barata para o Paraguai.

Se o acordo fechado em maio foi secreto, agora terá de ser mais do que transparente. Toda atenção agora estará em quem vai ceder e quem vai ganhar nessa negociação, com possíveis consequências para os dois governos.

O que está em jogo

Cada país tem direito a 50% da energia gerada por Itaipu. É a chamada "energia garantida". Mas o Paraguai não consome toda a energia gerada e revende ao Brasil essa energia chamada de "adicional".

Essa energia adicional abate a dívida que o Paraguai tem com o Brasil por ter construído Itaipu. Mas existe uma energia chamada de "excedente" que é aquela produzida acima da potência de Itaipu. Esse "excedente" acontece quando os reservatórios estão acima da sua capacidade devido às chuvas.

Essa energia excedente tem valor inferior à energia adicional porque não paga juros nem impostos. O Paraguai vem declarando como excedente a energia que é adicional. Com essa maquiagem, paga menos pela tarifas.  Fica com a energia mais barata e vende a adicional ao Brasil.

Mas o Brasil quer acabar com essa artimanha. Pelo acordo agora cancelado, o custo da energia para o Paraguai aumentaria em US$ 200 milhões por ano e, na conta dos consumidores paraguaios, isso representaria um aumento de 30% em média.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.