Acessar o conteúdo principal
veneza/wagner moura

Longa com Wagner Moura e Penélope Cruz concorre no Festival de Veneza

Começa nesta quarta-feira (28), a 76a edição do Festival de Cinema de Veneza.
Começa nesta quarta-feira (28), a 76a edição do Festival de Cinema de Veneza. Facebook/Festival de Cinema de Veneza

O brasileiro Wagner Moura e a espanhola Penélope Cruz estão em “Wasp Network”, filme do francês Olivier Assayas, na corrida para o Leão de Ouro do Festival de Cinema de Veneza, que começa nesta quarta-feira (28).

Publicidade

“Wasp Network” é uma adaptação do livro de Fernando Morais, "Os Últimos Soldados da Guerra Fria". O filme, também pelo brasileiro Rodrigo Teixeira, é um thriller inspirado na vida de cinco espiões cubanos que atuaram na comunidade de exilados em Miami durante a década de 1990.

Vinte e um filmes, todos estreias mundiais, disputarão o Leão de Ouro desta 76ª edição da Mostra de Cinema de Veneza.

O evento vai receber outros nomes importantes do cinema mundial, como Brad Pitt, Catherine Deneuve, Joaquin Phoenix e Roman Polanski. O diretor do evento, Alberto Barbera, também anunciou as presenças de Meryl Streep, Robert De Niro, Scarlett Johansson, Penélope Cruz, Johnny Depp, Robert Pattinson, Tommy Lee Jones, Antonio Banderas, Harvey Keitel, Gael García Bernal e Kristen Stewart, entre outros.

A mostra começa com o filme "La Vérité" (A Verdade), do diretor japonês Kore-eda Hirokazu, protagonizado pelas francesas Deneuve e Juliette Binoche.

Há vários anos, o Festival de Veneza se transformou em uma plataforma de lançamentos para o Oscar. Alguns filmes venceram diversas estatuetas depois de passar pelo evento, como: "Gravidade", "Birdman", "La la Land", "Moonlight", "Spotlight" e "A Forma da Água".

Hollywood também marcará presença com "Ad Astra" de James Gray, uma odisseia espacial com Brad Pitt e Tommy Lee Jones como protagonistas, confirmando o namoro do cinema americano com Veneza. O filme também é produzido pelo brasileiro Rodrigo Teixeira.

Polanski e a polêmica

O retorno ao lendário Lido do cineasta franco-polonês Roman Polanski, na disputa com "J'accuse", sobre o caso Dreyfus, o escândalo de antissemitismo na França entre 1894 e 1906, provocou polêmica pelo envolvimento do diretor em uma série de escândalos sexuais nos Estados Unidos há várias décadas.

Barbera defendeu a inclusão da última obra do longa-metragem do diretor veterano como uma reconstrução "extraordinária" de um evento histórico.

Vários grupos feministas protestaram contra a presença de Polanski na mostra, assim como pelo reduzido número de filmes dirigidos por mulheres.

Apenas dois diretores latino-americanos foram selecionados: o chileno Pablo Larraín e o colombiano Ciro Guerra. Larraín exibirá "Ema", protagonizado por Gael García Bernal, uma história de adoção, enquanto Guerra apresentará sua adaptação do livro de J.M. Coetzee "Waiting for the Barbarians", com Johnny Depp e Mark Rylance.

Netflix presente

Outro diretor renomado selecionado para a mostra é o americano Steven Soderbergh, que compete com "The Laundromat", um filme sobre o escândalo de vazamento de documentos confidenciais conhecido como "Panama Papers", com Meryl Streep e Antonio Banderas.

Produzido pela Netflix, plataforma de streaming que não foi vetada de Veneza, ao contrário do que acontece em Cannes, "Marriage Story" também está na mostra competitiva. O diretor Noah Baumbach aborda a crise em um casamento no longa-metragem, protagonizado por Scarlett Johansson e Adam Driver.

O festival italiano optou por abrir as portas ao gigante do audiovisual após a guerra entre Cannes e Netflix, o que garante bons títulos para Veneza, como aconteceu no ano passado com "Roma" do mexicano Alfonso Cuarón, vencedor do Leão de Ouro.

A condição feminina, presente em quase todos os filmes de acordo com Barbera, está garantida pela cineasta saudita Haifaa al-Mansour com "The Perfect Candidate" e a australiana Shannon Murphy com "Babyteeth".

Os filmes serão avaliados por um júri presidido pela cineasta argentina Lucrécia Martel.

O espanhol Pedro Almodóvar receberá o Leão de Ouro especial por sua carreira. A organização aguarda a presença do astro britânico Mick Jagger para o encerramento do festival. Ele é um dos protagonistas do suspense "The Burnt Orange Heresy", dirigido pelo italiano Giuseppe Capotondi.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.