Acessar o conteúdo principal
RFI Convida

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

Áudio 07:01
Victória Alvares, codiretora do filme Bloqueio
Victória Alvares, codiretora do filme Bloqueio RFI

Os documentaristas Victória Alvares e Quentin Delaroche estão na França para divulgar o filme Bloqueio, em destaque no festival Brésil en Mouvements. A produção, que já foi apresentada em vários países, retrata um momento visto pelos cineastas como histórico: a greve dos caminhoneiros, que parou o Brasil em 2018.

Publicidade

Victória Alvares e Quentin Delaroche acompanharam os grevistas em Seropédica, no Rio de Janeiro, um dos pontos de bloqueio do movimento. “Havia um emaranhado de narrativas”, se recorda a diretora. “Tinha demandas e reivindicações sociais, por melhores condições de trabalho, mas também, cada vez mais, o pedido de uma intervenção militar”, enumera Victória, que dirige seu primeiro longa.

Durante três dias, ela e Quentin filmaram personagens diversos, testemunhando um movimento “extremamente horizontal, onde havia muita união, mas não necessariamente unidade”, frisa a documentarista. “As pessoas se reuniam, mas não havia assembleias para decidir temas. A comunicação se dava de maneira muito informal, enquanto as pessoas comiam, ouviam música, participavam de um louvor e, principalmente, por WhatsApp. A gente já via a presença muito grande das redes sociais e das fake news. Percebemos vários ingredientes que viriam a eclodir com o resultado da eleição presidencial”, cinco meses mais tarde, avalia a diretora.

Militares, mas sem ditadura

Uma das principais motivações dos diretores era tentar entender as reivindicações de grevistas que pediam um controle maior das Forças Armadas no país. “Muitos diziam que queriam uma intervenção militar, mas não queriam uma ditadura”, aponta, lembrando que nem todos os grevistas compartilhavam desse discurso.

“Havia pessoas que eram intervencionistas convictas. Mas também havia pessoas que eram contrárias a Bolsonaro, que viam misoginia na destituição de Dilma Rousseff, ou que não votavam em Ciro Gomes porque o achavam machista. São pessoas que se deixaram seduzir por um discurso que fazia mais sentido para eles, naquele momento”.

Desiludidos, como eleitores de Trump, Orbán ou Salvini

Mas a diretora lembra que não se trata de um fenômeno brasileiro e compara com a insatisfação dos grevistas com os partidários de Boris Johnson no Reino Unido, de Donald Trump nos Estados Unidos, de Viktor Orbán na Hungria ou ainda de Matteo Salvini na Itália. “Nós lançamos esse filme internacionalmente no festival de Shefield, na Inglaterra, e as pessoas, no final da projeção, diziam que os grevistas eram como parte do eleitorado que votou no Brexit”, conta. “É uma classe precarizada, trabalhadora, que não acredita mais no modelo democrático. São pessoas que não se veem enquanto cidadãos plenos nesse modelo democrático”.

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima ou assista o vídeo

 

 

 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.