Acessar o conteúdo principal

Sínodo da Amazônia renova esperança dos indígenas, avalia imprensa francesa

Capa do jornal la Croix desta segunda-feira, 28 de outubro de 2019.
Capa do jornal la Croix desta segunda-feira, 28 de outubro de 2019. Reprodução/La Croix

A imprensa francesa desta segunda-feira (28) repercute a decisão histórica do Vaticano sobre a possibilidade de ordenar homens casados na região da Amazônia. Reunidos na sede da Igreja Católica durante as últimas três semanas, 184 bispos se pronunciaram sobre a revolucionária proposta, e votaram a favor de outras estratégias para fortalecer a presença da instituição na floresta e junto aos povos indígenas.

Publicidade

"A Igreja ouve os povos da Amazônia" é a manchete de capa do jornal católico La Croix, que classifica as decisões adotadas no Sínodo da Amazônia como "um grito de esperança" para a região. Por 128 votos a 41, a possibilidade de ordernar homens casados, idôneos e já ativos na comunidade católica, foi aprovada no fim de semana. Conscientes de que essa solução não será um milagre na região, onde o deserto de padres abre espaço para a igreja evangélica, o Sínodo também votou a favor da reflexão sobre a liderança de mulheres em comunidades católicas, mesmo que a possibilidade que se tornem diaconisas esteja descartada por enquanto.

No discurso final do evento, Papa Francisco também anunciou que a destruição do meio ambiente passa a ser considerado, dentro da Igreja Católica, "um pecado ecológico". Em editorial, La Croix comemora a discussão, durante o Sínodo, de assuntos até então proibidos na instituição, dentro de um espírito de "criatividade para propor novas soluções pelo bem das comunidades cristãs", afirma. 

Nova cara à Igreja Católica

O jornal conservador Le Figaro também dá destaque ao Sínodo da Amazônia. Para o diário, a ordenação de homens casados é "uma medida que pode mudar o rosto da Igreja Católica". O Vaticano indicou que será realizada uma consulta em todas as dioceses do mundo para que, talvez, essa reforma possa ser estendida aos países onde a instituição atua.

Já o jornal Le Parisien lembra, que a questão da ordenação de homens casados não é definitiva e precisa da decisão final do Papa Francisco, que deve ser anunciada até o final deste ano. Entrevistado pelo diário, o historiador francês Odon Vallet, especialista em religião, é cético quanto à autorização desta exceção em outros países. Ele lembra, por exemplo, que "o celibato foi imposto de maneira canônica e que apenas um concílio poderia mudar esta regra".

Ouvidos pelo jornal, quatro fiéis católicos concordam com a ordenação de homens casados, para que os religiosos "se aproximem da vida real", "para lutar contra a crise de vocações" ou até mesmo contra a pedofilia dentro da Igreja Católica. No entanto, a opinião de uma freira de Marselha, no sul da França, é uma amostra da oposição do lado conservador da instituição. Para ela, padres não podem ter família porque "isso complicaria a dedicação exclusiva a Deus".

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.