Acessar o conteúdo principal
Brasil

Le Figaro assistiu ao Festival Lula Livre e diz que Lula fez discurso “heavy metal”

Destaque na manchete do jornal Le Figaro desta terça-feira para o discurso do ex-presidente Lula em Recife visando as eleições de 2022
Destaque na manchete do jornal Le Figaro desta terça-feira para o discurso do ex-presidente Lula em Recife visando as eleições de 2022 Reprodução lefigaro.fr

O correspondente do jornal Le Figaro assistiu ao Festival Lula Livre em Recife e publica nesta terça-feira (19) uma grande matéria sobre o assunto, com direito a chamada de capa. O artigo diz que o ex-presidente foi recebido por seus partidários como um “rock star” e fez um discurso “heavy metal”.

Publicidade

“Lula mal saiu da prisão e está de volta à política para reconquistar o Brasil”, ressalta o jornal conservador. O pontapé inicial de sua caravana para remobilizar a oposição de esquerda, abalada desde a eleição de Jair Bolsonaro, foi dado em Recife, seu reduto eleitoral.

O artigo descreve o ambiente festivo, o entusiasmo da multidão de partidários, quase toda vestida de vermelho, que lotava a praça Nossa Senhora do Carmo, no coração de Recife. Foi neste ambiente que Luiz Inácio Lula da Silva, “arrebatador e revoltado”, festejou sua libertação com o povo do Nordeste, sua terra natal.

Segundo o correspondente Michel Leclercq, o líder carismático da esquerda brasileira fez um discurso “heavy metal de olho nas eleições de 2022”. Em um tom enfático, acusou de novo violentamente a Justiça, em especial o ex-juiz e atual ministro Sérgio Moro, e a operação Lava Jato, que o condenaram e prenderam, segundo ele, injustamente. Lula prometeu, sem citar o presidente Bolsonaro, de liberar o Brasil do "bando de milicianos que se instalou no país", ressalta o texto.

Longo caminho até 2022

Depois do ataque, o ex-presidente adotou “um tom mais paz e amor”, afirmando que saiu da prisão melhor do que entrou, aponta o correspondente.

O calendário eleitoral brasileiro é conhecido. As próximas eleições são municipais e acontecem no ano que vem, antes das presidenciais de 2022. Até la, o ex-presidente petista tem muito caminho pela frente, afirma Le Figaro.

Citando uma pesquisa do Ibope, o jornal informa que 43% do eleitorado brasileiro não votaria de maneira alguma para o PT. Além disso, Lula é ainda acusado em seis processos por corrupção e, por enquanto, continua inelegível. Por isso, no discurso em Recife, ele pediu a seus partidários para continuar mobilizados. Ele quer que a campanha Lula Livre se transforme em uma iniciativa maior para que todos os processos contra ele sejam cancelados, salienta o artigo.

#VergonhaSTF

Le Figaro lembra que a libertação do ex-prisioneiro mais célebre do país também provocou revolta entre os brasileiros. A hashtag #vergonhaSTF viralizou nas redes sociais assim que Lula deixou a sede da Polícia Federal em Curitiba, no dia 8 de novembro. Alguns partidários da extrema direita chegaram até a pedir o fechamento do Supremo pelo Exército e manifestações espontâneas foram organizadas, mas sem grande sucesso, diz o correspondente.

Entrevistado, Manoel Galdino, diretor executivo da ONG anticorrupção Transparência Brasil, declara que a decisão do STF contra a prisão em segunda instância, que possibilitou a libertação de Lula, é uma reação aos abusos da Lava Jato, mas, ao mesmo tempo, prejudica o combate à corrupção no país.

Mas a volta de Lula, que se posicionou desde sua saída da prisão como o adversário número um do presidente Bolsonaro, polariza ainda mais a política brasileira. Ela diminui o espaço de políticos centristas e a possibilidade de um diálogo político no Brasil, prevê o professor de Ciências Políticas da Universidade do Paraná, Adriano Codato, entrevistado pelo Le Figaro.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.