Acessar o conteúdo principal
RFI Convida

Hostilidade do governo em relação às universidades prejudica o país, lamenta reitor da UFBA

Áudio 06:55
João Carlos Salles, reitor UFBA e presidente da Andifes.
João Carlos Salles, reitor UFBA e presidente da Andifes. Captrua de Vídeo

Os reitores das universidades federais se preparam para mais um ano de instabilidade nas instituições públicas de ensino superior. Apenas 70% do orçamento de 2020 está garantido. Os demais 30% dependem de aprovação parlamentar. Segundo o presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), João Carlos Salles, reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), essa incerteza desorganiza as unidades de ensino, a pesquisa e prejudica o avanço do ensino no país.

Publicidade

Em entrevista à RFI, João Carlos Salles analisou a polêmica em torno da Medida Provisória (MP) 914. No final do ano, o presidente Jair Bolsonaro pegou a comunidade acadêmica de surpresa ao publicar, na véspera do Natal, uma medida que altera o processo de escolha dos reitores. Tradicionalmente, o reitor das universidades públicas federais é escolhido pelos docentes da instituição, por intermédio de uma votação de uma lista tríplice. O mais votado dessa lista costumava ter o nome sancionado pelo presidente. A MP 914 alterou esta regra e permite que Bolsonaro escolha um dos três nomes da lista.

O deputado Elias Vaz (PSB-GO) entrou com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) sob alegação de que o texto fere a autonomia das universidades. O STF vai analisar o caso em fevereiro, quando retornar do recesso.

"Não havia a menor necessidade de utilizar uma MP, que é um expediente para casos de urgência e relevância. Nós já temos uma legislação sobre isso e durante o período de vigência da medida não há previsão de processo eleitoral nas universidades", destaca Salles. Ele observa que, em relação aos institutos federais, que já tinham a prerrogativa de indicar apenas um nome para a direção, agora eles também serão obrigados a enviar uma lista tríplice. Porém, na avaliação do presidente da Andifes, "a lista tríplice é uma anomalia, se considerarmos que as universidades são autônomas e têm a prerrogativa constitucional de gestão". O recuo em relação aos institutos federais é que o processo de escolha do dirigente, que acontecia dentro da universidade, agora terá a interferência do presidente da República. No caso das universidades, a consulta, que antes era informal, após um debate de projetos com os atores da comunidade, fica atrelada a três nomes. "A MP simula um expediente democrático, quando na verdade ela se volta contra a comunidade", diz Salles.

Reitores escolhidos pelo presidente

No primeiro ano do governo Bolsonaro, quase a metade dos reitores nomeados não levou em consideração as listas enviadas e o primeiro colocado, ou seja, o docente escolhido pela comunidade científica. Quebrou-se esse acordo. "A autonomia das universidades tem sido sistematicamente desrespeitada", lamenta Salles. "É preciso que o STF rejeite esta MP como inconstitucional, e tenhamos a oportunidade que o Congresso elabore, entre os vários projetos de lei, uma solução mais adequada à natureza da universidade", estima o presidente da Andifes.

O reitor da UFBA vê um duplo ataque à democracia universitária. De acordo com a nova MP 914, os dirigentes das unidades subordinadas à reitoria passam a ser indicados diretamente sem consulta às comunidades. "Um reitor que tenha recebido um número irrisório de votos e chegado em terceiro lugar, por exemplo, se tiver sintonia com o governo, poderá ser nomeado e exercer um poder abusivo em relação à nomeação dos diretores e seu próprio vice-reitor", critica Salles.  

"Existe um sentimento de hostilidade em relação às universidades. Elas estão sendo depreciadas, agredidas, tendo a imagem de seus gestores atacada por um ministério que deveria proteger e amparar a comunidade universitária", lamenta o presidente da Andifes. Ele condena a emergência de uma visão "mais empreendedora" do ensino universitário em detrimento da riqueza de interação entre as diversas áreas do conhecimento, com um menosprezo injustificável às areas de ciências humanas.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.