Acessar o conteúdo principal
7a Arte

Cinema: com recorde de brasileiros e nova direção, Berlinale abre 70a edição cada vez mais militante

O fillme "Todos os Mortos", de Caetano Gotardo e Marco Dutra, marca a volta do Brasil na disputa pelo Urso de Ouro em Berlim.
O fillme "Todos os Mortos", de Caetano Gotardo e Marco Dutra, marca a volta do Brasil na disputa pelo Urso de Ouro em Berlim. Helène Louvart

A 70a edição do Festival de Internacional de Cinema de Berlim, mais conhecido como Berlinale, começa nessa quinta-feira (20). O evento, que mudou de direção este ano, mantém sua programação engajada, abordando temáticas sociais do mundo todo. O Brasil bate recorde de participação, com 19 filmes, entre longas, curtas e coproduções, e volta a concorrer ao Urso de Ouro, principal prêmio da competição.

Publicidade

Enviado especial a Berlim

Até o dia 1° de março Berlim se transforma em capital mundial do cinema. Com mais de 300 filmes, a programação mais uma vez aposta da diversidade e, principalmente, em temas sociais, marca registrada que diferencia o evento de seus concorrentes em Cannes ou em Veneza.

Mas este ano, a Berlinale abre sua portas com algumas mudanças. A principal delas é na direção, com a saída de Dieter Kossick, após 18 anos no comando do evento, e a chegada do italiano Carlo Chatrian, que pilotava até então o Festival de Locarno, e da holandesa Mariette Rissenbeek. Eles trazem sangue novo para o evento alemão e afastam as críticas de que os organizadores vinham tentando atrair estrelas e, muitas vezes, esqueciam da qualidade nas telas.

“Dieter Kosslick trouxe um certo glamour hollywoodiano para o festival, especialmente para a competição principal. Mas sua partida também é vista como uma oportunidade importante para redefinir os pontos fortes estéticos e cinematográficos do festival, bem como a sua direção política”, comenta a historiadora do cinema e professora da Universidade Livre de Berlim, Brigitta Wagner.

E isso já se sente na programação deste ano, onde mesmo se nomes de peso, como a britânica Sally Potter, traz Javier Bardem, Salma Hayek e Elle Fanning no elenco de “The Roads not taken” e que um Urso de Honra será entregue à atriz oscarizada Helen Mirren, a seleção parece mais engajada do que nunca. A prova com filmes como “There is no Evil”, do iraniano Mohammad Rasoulof, proibido no Irã, ou o documentário “Irradiés”, do cambojano Rithy Pahn, que fala do genocídio em seu país.

Diante dessa seleção, o júri dirigido pelo ator britânico Jeremy Irons e que conta com a participação, entre outros, do cineasta brasileiro Kléber Mendonça Filho terá a difícil tarefa de escolher entre produções que fazem pensar no mundo de hoje. “Os filmes que selecionamos tendem a observar o presente sem ilusão. Não para provocar medo, e sim porque desejam abrir os nossos olhos”, ressaltou Chatrian, que também se orgulha de ter escolhido a temática das migrações para a mostra paralela Panorama.

Brasil volta na corrida pelo Urso de Ouro

Seguindo essa tendência “pé no chão”, mas olhando o passando para entender o presente e melhorar o futuro, o Brasil concorre ao Urso de Ouro com “Todos os Mortos”, de Caetano Gotardo e Marco Dutra. A partir da história de uma mãe e suas duas filhas logo após a liberação dos escravos no país, esse drama de época olha no retrovisor para abordar a questão da desigualdade social.

Os brasileiros sempre tiveram bastante espaço na Berlinale. O próprio diretor do festival disse à imprensa alemã que o cinema do país latino-americano sempre o inspirou. Mas que este ano, em razão das mudanças recentes na política cultural nacional, era “importante mandar um sinal para a indústria internacional de que nos importamos com o cinema brasileiro”.

O sinal não poderia ser mais claro. Além de voltar na corrida pelo Urso de Ouro, após ter levado a estatueta em 1998, com Central do Brasil, e em 2007, com Tropa de Elite, o país bate um recorde de participação, com 19 filmes selecionados nas diferentes mostras, entre longas, curtas, documentários e coproduções.

Além de “Todos os Mortos”, três ficções e dois documentários concorrem na mostra Panorama – que apresenta obras independentes e que muitos veem como o equivalente da “Um certo olhar”, de Cannes. Quatro produções serão exibidas na seleção Generation 14plus, que traz projetos voltados para o público mais jovem, e oito filmes na Forum e Forum Expanded, onde se reúnem obras que exploram caminhos menos convencionais na maneira de construir suas narrativas.

O Brasil aparece ainda na Encounters, seleção criada este ano, e que promete ser ainda mais alternativa que as já famosas Panorama e Forum.

Mais mulheres do que Cannes e Veneza

A competição principal terá 18 filmes de 18 países, seis deles dirigidos por mulheres. “Seis filmes não é paridade, mas é um caminho para alcançá-la”, explicou Chatrian, lembrando o engajamento da Berlinale em aumentar o número do diretoras no programa (no ano passado elas representavam 45%). De qualquer maneira, a proporção já é bem acima dos concorrentes Cannes e principalmente Veneza, bastante criticado no ano passado por selecionar apenas duas diretoras entre os 21 filmes na competição principal.

Mulheres fortes também estarão presentem em eventos paralelos durante a Berlinale. É o caso de Cate Blanchett, que participa de um debate com o diretor brasileiro Karim Ainouz, ou ainda Hillary Clinton, estrela do documentário “Hillary”, de Nanette Burstein, que também será exibido em Berlim.

A presença feminina permeou toda a organização. “No ano passado, o festival divulgou um relatório sobre a paridade de gênero em todos os níveis do festival – dos programadores nos bastidores até os envios de filmes e o número de projetos selecionados. A Berlinale parece estar desenvolvendo um maior senso de transparência ao tornar essas questões públicas, visando uma maior consciência sobre como as decisões são tomadas e como o gosto cinematográfico é definido”, avalia Brigitta Wagner.

E tudo isso acontece em um clima descontraído, que conta com a participação direta do público. Afinal, ao contrário de Cannes, onde apenas algumas sessões são abertas, na Berlinale qualquer um pode comprar ingressos pelo preço de uma entrada de cinema e assistir os filmes em competição ou das mostras paralelas. As projeções acontecem em toda parte. Além do complexo de salas na Potsdamer Platz, vários cinemas de bairro e até galerias de arte entram na maratona, com projeções para todos os gostos.

A Berlinale vai até 1° de março.

Filmes brasileiros na 70a Berlinale:

Competição principal

Todos os Mortos, Caetano Gotardo e Marco Dutra (Brasil, França)

 

Panorama

Un crimen común, Francisco Márquez (Argentina, Brasil, Suíça)

Vento Seco, Daniel Nolasco (Brasil)

Cidade Pássaro, Matias Mariani (Brasil, França)

 

Panorama Dokumente

Nardjes A, Karim Aïnouz (Alemanha, França, Argélia, Brasil, Qatar)

O Reflexo do Lago, Fernando Segtowick (Brasil)

 

Generation 14plus

Alice Júnior, Gil Baroni (Brasil)

Meu nome é Bagdá, Caru Alves de Souza (Brasil)

Irmã, Luciana Mazeto e Vinícius Lopes (Brasil)

Rãs, Ana Flavia Cavalcanti e Julia Zakia (Brasil)

 

Forum

Luz dos Trópicos, Paula Gaitán (Brasil)

Chico Ventana también quisiera tener un submarino, Alex Piperno, (Uruguai, Argentina, Brasil, Holanda, Filipinas)

Vil, Má, Gustavo Vinagre (Brasil, Itália)

 

Forum Expanded

Apiyemiyeki?, Ana Vaz (Brasil)

Jogos Dirigidos, Jonathas de Andrade (Brasil)

Outros Fundamentos, Aline Motta (Brasil)

Vaga Carne, Grace Passô e Ricardo Alves Jr (Brasil)

Letter from a Guarani Wonam in Search of the Land Without Evil, Patricia Ferreira Pará Yxapy (Brasil)

 

Encounters

Los Conductos, Camilo Restrepo (França, Colômbia, Brasil)

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.