Acessar o conteúdo principal
RFI Convida

O cerco se fecha contra Bolsonaro e seu governo pode acabar, diz cientista político da UFMG

Áudio 06:59
Carlos Ranulfo de Melo, Cientista político - UFMG
Carlos Ranulfo de Melo, Cientista político - UFMG © Arquivo Pessoal

“Estamos presenciando o fechamento de um cerco sobre o presidente e pessoas próximas”, constata o cientista político Carlos Ranulfo de Melo ao comentar os avanços de diversas investigações no Supremo Tribunal Federal (STF) que atingem aliados de Bolsonaro e a recente  prisão de Fabrício Queiroz, peça-chave na investigação sobre as “rachadinhas” na Alerj. Os desdobramentos desses inquéritos e eventuais reações de Bolsonaro contra a ordem institucional podem levar seu governo “ao fim”, segundo o especialista.

Publicidade

As recentes operações no âmbito das investigações do STF que culminaram na quebra de sigilo telefônico e bancário de um grupo de parlamentares chamado por Ranulfo de “tropa de choque” do bolsonarismo, aumentaram ainda mais o atrito entre o governo e a Justiça.    

“A tensão aumenta ainda mais diante do fato de que tanto o presidente quanto seus aliados e militantes reagem de maneira muito truculenta à ação da justiça. Não é uma reação normal, de políticos normais, dizendo que confiam na justiça, de que tudo tem que ser esclarecido. Não, a reação é na base da pedrada”, observa.

No atual contexto, segundo Ranulfo, o governo se encontra num impasse. “A única saída que ele (Bolsonaro) teria é romper com a institucionalidade e partir para medidas extralegais de acuamento  e de enfrentamento da justiça. Se ele fizer isso, o governo acaba, porque significaria desrespeitar decisões e romper com a institucionalidade”, afirma.

Segundo o  professor de Ciências Políticas na Universidade Federal de Minas Gerais, uma eventual reação neste sentido iria desencadear uma resposta imediata do Congresso, da imprensa, da sociedade civil e do próprio Supremo. “Poderia significar o fim do governo”, prevê.

Refluxo do bolsonarismo

A mobilização popular também evidencia o enfraquecimento na base de apoio ao governo.  Enquanto surgiram protestos contra o governo mesmo durante a pandemia do coronavírus, as manifestações a favor de Bolsonaro “minguaram”, segundo Carlos Ranulfo.  

“O bolsonarismo carrega uma convicção de que ao cultivar sua própria base de apoio, ele se garante na sociedade e essa garantia seria até para 2022, na próxima eleição. Mas isso é controverso porque as pesquisas vêm mostrando que essa base, o núcleo duro do bolsonarismo, está diminuindo e não há garantias de que vá se manter a ponto de conseguir uma sustentação”, argumenta.

O refluxo do bolsonarismo pode se acelerar na medida em que um dos inquéritos do Supremo avançar sobre as investigações de quem financia os atos pró-governo, que, afirma o professor da UFMG, são os mesmos envolvidos na rede de fake news também sob alvo da justiça. 

Mas o "acuamento" de Bolsonaro, de acordo com especialista, se tornou mais acentuado com a prisão de Fabrício Queiroz, nesta quinta-feira (18), durante operação da Polícia Federal. O ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro foi encontrado em Atibaia (SP), em um imóvel de propriedade de um advogado da família Bolsonaro. Queiroz é apontado como uma figura-chave na investigação sobre as “rachadinhas” na Alerj, prática que consiste na devolução de parte do salário de assessores aos parlamentares que os empregam. 

“O (presidente) Bolsonaro sempre disse que o Queiroz não é com ele. Mas é, e muito porque revela o ponto mais frágil de seu esquema, que é a ligação com as milícias. E se isso vier a público, é o fim do governo”, acredita.  

“Pato manco”

Para expor a situação na qual se encontra o presidente Bolsonaro, Carlos Ranulfo de Melo recorre à metáfora muito conhecida na ciência política conhecida como “pato manco”, expressão que designa fraqueza e falta de estabilidade.

“É aquele governo que chega no final como um ‘’pato manco’ que não serve para nada. O Bolsonaro já é quase um ‘pato manco’ antes da metade de seu governo”, analisa, elencando como fracassos do presidente a dificuldade de implantar sua  agenda econômica liberal e sustentar a bandeira de combate à corrupção, após a saída do ex-ministro Sérgio Moro.

“Não existe mais um governo pró ativo. Ele só existe se defendendo. Na hora que essa defesa cair por terra, e o caso dessas milícias é o mais explosivo, o governo acaba definitivamente, pode não acabar formalmente, mas todo mundo vai saber que não tem mais governo no Brasil. Agora, como vai acabar formalmente, não se sabe”, pondera.

A falta de visibilidade sobre o futuro do governo a curto ou a longo prazo faz o especialista ser prudente, sem deixar de apontar as consequências de um cenário no qual Bolsonaro fique no cargo até o final de seu mandato:  “Não arrisco a dizer se ele chegará em 2022, se ele vai cair em um processo de investigação com autorização do Congresso, ou se vai cair em um processo de impeachment. Se ele sobreviver até 2022, vai ser como um governo fraquíssimo e um desastre para o país”. 

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.