Acessar o conteúdo principal
Dinamarca/ animais

Após girafa, zoológico de Copenhague sacrifica quatro leões

Leões do zoológico de Copenhague comem restos do filhote de girafa Marius que foi sacrificado no mês de fevereiro
Leões do zoológico de Copenhague comem restos do filhote de girafa Marius que foi sacrificado no mês de fevereiro euronews

Depois de causar polêmica ao sacrificar e dissecar um filhote de girafa diante dos visitantes, em fevereiro, o zoológico de Copenhague (Dinamarca) voltou a tomar uma medida semelhante nesta terça (25). Quatro leões foram mortos no local, em respeito “ao comportamento natural” dos animais, explicou o estabelecimento.

Publicidade

“Em razão do comportamento natural dos leões, o zoológico teve de sacrificar dois leões idosos e dois filhotes de leões que não conseguiriam se defender sozinhos”, declarou o zoológico Bengt Holst, por comunicado. Os dois filhotes de 10 meses “teriam sido mortos pelo novo macho do grupo assim que ele tivesse a oportunidade”, explicou o texto.

O novo macho será apresentado nos próximos dias a duas leoas nascidas em 2012, e que agora estão em idade de reprodução. “O zoológico é mundialmente reconhecido pelo seu trabalho com os leões e eu estou orgulhoso que um deles seja o responsável por uma nova ninhada”, destacou o diretor do local, Steffen Sträde.

Girafa causou comoção mundial

O estabelecimento sacrificou os quatro na segunda-feira, depois de não conseguir transferi-los para outro local, afirmou um porta-voz à agência AFP. Desta vez os animais não foram dissecados em público, como aconteceu com o filhote de girafa Marius, em fevereiro.

Na ocasião, a direção recebeu ameaças de morte depois da divulgação da eutanásia da girafa, de 18 meses. Marius foi morto com uma pistola de abate, dissecado, cortado em pedaços e jogado aos leões, diante de crianças que visitavam o zoológico na data.

O caso chocou milhares de defensores dos animais no mundo inteiro. Um movimento para salvar o filhote de girafa circulou na internet, mas não conseguiu impedir o sacrifício do animal. Na época, o zoológico explicou que “não havia outra alternativa” a não ser impedir Marius chegar à idade adulta, porque as regras da Associação Europeia de Zoológicos e Aquário orientam a evitar a consaguinidade entre girafas. Ele era filhote de duas girafas da mesma família.
 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.