Acessar o conteúdo principal
Mulher

Sangramento livre: contra absorventes, mulheres adotam técnica natural para eliminar menstruação

Em média, uma mulher utiliza entre 10 mil e 15 mil absorventes descartáveis da puberdade até a menopausa.
Em média, uma mulher utiliza entre 10 mil e 15 mil absorventes descartáveis da puberdade até a menopausa.

Abaixo absorventes! Um novo movimento da ginecologia natural, em prol de uma menstruação sem absorventes, começa a se popularizar e a ganhar adeptas pelo mundo. O objetivo é eliminar o fluxo menstrual naturalmente, condicionando o organismo a reter o sangue para liberá-lo no vaso sanitário.

Publicidade

Depois da tendência do copo coletor, muitas mulheres estão agora recorrendo ao sangramento livre, chamado de free bleeding, nos Estados Unidos, ou flux instinctif libre (FIL), na França. O método consiste em condicionar o corpo para reter a menstruação a tempo de eliminá-la naturalmente. Todo o segredo está no períneo, músculo da região pélvica, que pode segurar o fluxo temporariamente até o momento de liberá-lo.

A naturopata francesa Jessica Spina, especializada no corpo feminino, é uma das precursoras da técnica na França. Praticante há vários anos do fluxo instintivo livre (FIL), ela também realiza uma pesquisa com um grupo de cerca de 30 mulheres adeptas à técnica.

Segundo ela, a possibilidade de retenção de sangue é possível graças a pequenas cavidades no colo do útero. “Quando contraímos a vagina, o sangue que deveria sair pelo colo do útero, fica nessas pequenas cavidades”, explica.

Entretanto, a especialista lembra que a retenção é possível durante alguns minutos: a eliminação da menstruação deve ser feita regularmente. “É preciso levar em consideração que quando o sangue deixa o útero, não é como uma torneira que jorra sem parar. A saída da menstruação é feita em etapas, gradativamente”, salienta.

Todo o conhecimento obtido com os anos praticando o FIL, Jessica Spina detalha no livro “Le Flux Instinctif Libre : l’Art de Se Passer de Protection Periodique” (O Fluxo Instintivo Livre: a Arte de Evitar Absorventes, tradução livre), um guia de como adotar a técnica. “Transmito essa descoberta que, para mim, foi uma verdadeira revolução interior. É uma espécie de libertação de algumas crenças de que a mulher não pode controlar seu corpo. Na verdade, é apenas uma questão de as mulheres se conhecerem, se estudarem e terem o domínio de seu organismo”, diz.

Jessica Spina detalha técnica do sangramento livre na obra “Le Flux Instinctif Libre : l’Art de Se Passer de Protection Periodique”.
Jessica Spina detalha técnica do sangramento livre na obra “Le Flux Instinctif Libre : l’Art de Se Passer de Protection Periodique”. Fotomontagem RFI/ amazon

Apesar de o FIL ainda não ser adotado por um grande número de mulheres na França, ele vem se popularizando através das redes sociais. A YouTuber Claire relatou sua experiência de substituir os absorventes pelo fluxo instintivo livre em seu canal Bicar & Co.

Em entrevista à RFI, ela conta que a técnica foi adquirida há um ano e, pouco a pouco, à medida em que foi aprendendo a compreender como funcionava o fluxo menstrual. Para ela, tudo é uma questão de ouvir seu próprio organismo.

“O FIL é algo que aprendi com o tempo. É preciso vários ciclos para se adaptar e a reconhecer os sinais que o corpo nos envia para sabermos quando devemos ir ao banheiro. É por isso que chamamos de ‘instintivo’, porque aprendemos a identificar quando é hora de eliminar a menstruação”, afirma.

A experiência, segundo ela, é vivida de forma diferente por cada mulher. “Algumas vão saber que é hora de ir ao banheiro sentindo alguma dor no ventre; outras percebem uma espécie pressão no útero. Eu, por exemplo, não tenho nenhum sinal, mas eu sei quando a menstruação está descendo: às vezes acordo à noite porque sei que preciso ir ao banheiro eliminar meu fluxo”, diz.

A terapeuta especializada no corpo da mulher Apolline Compagnon, criadora do site La Gazette Bio, acredita que o domínio de FIL requer treinamento. “A motivação da mulher vai ter um papel essencial, assim como um períneo tônico. Penso que a prática de yoga também pode ajudar a sentir o corpo profundamente, estar mais à vontade com as sensações”, avalia.

Segundo a especialista, há duas grandes vantagens de adotar a técnica: econômica, para deixar de comprar absorventes, e ecológica, para evitar o descarte do material utilizado, raramente reciclável. Em média, uma mulher utiliza cerca de dez absorventes descartáveis a cada ciclo menstrual; entre 10 mil e 15 mil da puberdade até a menopausa.

Apolline Compagnon lembra, no entanto, que a mulher pode optar por outros métodos mais ecológicos: como os absorventes laváveis, a calcinha-absorvente (reutilizável) ou o copo coletor. A principal questão, para a terapeuta, é a possibilidade de a mulher poder dominar seu organismo.

“O FIL é um método natural porque não precisa de ‘material exterior’. O que a mulher deve se perguntar é se deseja controlar a menstruação, quando ela já deve ter um imenso controle de seu cotidiano. Nada impede que ela utilize diversos métodos: o FIL quando estiver em casa (ou mesmo à noite) e absorventes ou o copo coletor quando sair”, recomenda.

Brasileiras praticam “sangramento livre”

No Brasil, o FIL é conhecido como sangramento livre. Segundo a naturóloga Ana Arruda, especializada em ginecologia natural, o método não é novo, mas vem se popularizando entre as brasileiras nos últimos tempos.

Ana Arruda também é uma adepta do método que, para ela, vai além das questões econômicas e ecológicas. “Há momentos, durante a menstruação, que não dá vontade de usar nada, nem mesmo uma calcinha absorvente ou um absorvente de pano. A gente quer essa liberdade de fluidez, já que passamos muitos anos tendo a nossa feminilidade, nossa menstruação e nossos corpos dominados. Eu senti essa necessidade de deixar o sangue descer.”

Apesar de a medicina tradicional ser cética quanto ao método, Ana Arruda acredita que há muitas vantagens nas técnicas naturais para a eliminação da menstruação, como o conhecimento do corpo e a valorização da intuição feminina. “Sinto que esse método, entre outras práticas da ginecologia natural, traz a gente de volta pra esse contato mais interno e profundo, com nossas vísceras, ventre e útero. Além dessa experiência sobre o controle sobre nós mesmas, que é algo completamente possível e que a gente perdeu”, diz.

A naturóloga não acredita que o sangramento livre possa ser prejudicial, como alegam alguns ginecologistas. “A ideia do sangramento livre não é ficar contraindo para sempre o útero, mas ter mais ingerência sobre essa musculatura, que vai ajudar inclusive a fortalecer a região pélvica, e que pode até ajudar a mulher no parto ou ter relações sexuais mais prazerosas. O objetivo é ter contato com esses movimentos de contração e expansão do útero e, quando sentir que é necessário, fazer uma pausa, ir até o banheiro e fazer a eliminação deste sangue”, destaca.

A terapeuta francesa Apolline Compagnon também lembra que qualquer mulher pode realizar a experiência do FIL: “qualquer que seja sua idade não há nenhum impedimento para isso”. Mas, segundo ela, é preciso levar em consideração o cotidiano de cada uma. “Imagino que isso não deva ser prático para uma cirurgiã no meio de uma operação ou uma taxista…”, pondera.

Mas, para a especialista, não há dúvidas: o FIL ou sangramento livre não é apenas uma técnica para eliminar a menstruação, mas uma forma de celebrar e assumir uma faceta da feminilidade. “Antes se falava menos sobre o fluxo menstrual porque era tabu, para não mencionar ‘sujo’, ocultando o lado natural deste fenômeno. Hoje, é uma maneira de se reivindicar como mulher.”

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.