Acessar o conteúdo principal
Espaço

Primeiro "terremoto" é detectado em Marte

Sismógrafo francês foi instalado em solo marciano graças a um braço robótico da sonda InSight
Sismógrafo francês foi instalado em solo marciano graças a um braço robótico da sonda InSight ©NASA

Um sismógrafo implantado em Marte no âmbito da missão americana InSight registrou em 6 de abril o primeiro terremoto no planeta vermelho. O anúncio foi feito nesta terça-feira (23) pela a agência espacial francesa CNES, responsável pelo sismômetro que detectou o fenômeno.

Publicidade

"É formidável finalmente ter um sinal de que ainda há uma atividade sísmica em Marte", disse Philippe Lognonné, pesquisador do Instituto de Física da Terra de Paris. "Estávamos esperando há meses o nosso primeiro terremoto marciano", acrescentou o "pai" deste sismógrafo francês SEIS (Seismic Experiment for Interior Structure), instalado em 19 de dezembro em solo marciano graças a um braço robótico da sonda InSight, que chegou ao planeta vermelho em 26 de novembro.

O objetivo da operação é, por meio de registro de terremotos, estudar a história da formação de Marte. E mesmo se esse primeiro tremor foi muito fraco para fornecer dados úteis sobre o interior do planeta, ele "marca o nascimento oficial de uma nova disciplina: a sismologia marciana", segundo Bruce Banerdt, cientista-chefe da missão dentro Nasa.

De acordo com os cientistas, ainda é necessário confirmar se o terremoto foi registrado dentro do planeta e se não foi o efeito do vento ou de outras fontes de ruído. Três outros sinais, mas ainda mais fracos que o de 6 de abril, foram detectados nos últimos dois meses.

Marte não possui placas tectônicas, elemento que geralmente está na origem dos tremores na Terra. Mas os dois planetas, assim como a Lua, podem registrar um outro tipo de fenômeno sísmico, provocado por falhas ou fraturas em sua superfície. O excesso de peso ou condições ligadas ao resfriamento podem contribuir para esse tipo de tremor.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.