Acessar o conteúdo principal
VAN GOGH

Nova versão da morte de Van Gogh pode alterar filme sobre artista

Túmulo de Vincent van Gogh, em Auvers-sur-Oise.
Túmulo de Vincent van Gogh, em Auvers-sur-Oise. (L.Dunod)

A versão de que Van Gogh teria sido assassinado por acidente e não cometido suicídio, como sempre se acreditou, pode mudar o final de um filme ainda em produção sobre a vida do artista.

Publicidade

Segundo uma nova biografia, Vincent van Gogh, nascido na Holanda em 1853, teria sido morto por engano por dois adolescentes que brincavam com uma arma em Auvers-sur-Oise, nos arredores de Paris, onde o artista morava. A teoria que vem causando polêmica mundial foi escrita a quatro mãos por dois americanos – Gregory White Smith e Steven Naifeh – que em 1991 receberam o cobiçado prêmio Pulitzer pela biografia do pintor Jackson Pollock.

A roteirista do filme, em pré-produção, sobre a vida do artista, Kira Madallo Sesay, afirmou que o projeto pode ter um outro final. Ela acrescentou que o ator principal ainda não foi escolhido e que o filme vai ser rodado na Europa em locais onde o artista viveu.

Os autores da nova biografia passaram dez anos estudando a vida de van Gogh. Eles chegaram a vários indícios que parecem corroborar a teoria de morte acidental. O primeiro é o relato de um historiador, que visitou a região nos anos 1930 e coletou testemunhos de pessoas que afirmavam que Van Gogh disse em seu leito de morte ter tentado o suicídio, mas na verdade estaria protegendo dois adolescentes, que teriam atirado contra o artista por acidente.

Leo Jansen, curador do museu Van Gogh, de Amsterdã, diz que a nova versão é bastante interessante, uma vez que o suposto suicídio sempre suscitou muitas questões, a respeito de elementos básicos, como o local onde o tiro foi disparado e os motivos. Jansen lembra que a arma nunca foi encontrada.

Van Gogh foi vivido nas telas por Kirk Douglas, em 1956, em Sede de Viver.
 

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.