Acessar o conteúdo principal
Festival de Cannes/2013

Em Cannes, Michael Douglas recria exuberância do pianista Liberace

« Behind The Candelabra », de Steven Soderbergh.
« Behind The Candelabra », de Steven Soderbergh. HBO Films

Estamos na metade do festival de cinema de Cannes. Nesta terça-feira são exibidos mais dois filmes – de um total de 20 - na corrida pela Palma de Ouro: “Behind the Candelabra”, do americano Steven Soderbergh, e “La Grande Bellezza”, do italiano Paolo Sorrentino. Mas por enquanto nenhum filme arrancou unanimidade dos críticos.

Publicidade

Os mais elogiados até o momento são “Le Passé”, uma produção franco iraniana, com direção do iraniano Asghar Farhadi, que estourou mundialmente no ano passado com “A Separação” e “La Grande Bellezza”. "Wara no Tate", do japonês Takashi Miiki, conseguiu arrancar vaias na sessão reservada aos jornalistas.

“Behind the Candelabra”, que pode ser traduzido como “Atrás do Candelabro” conta a vida do excêntrico e exuberante pianista americano Liberace, um virtuoso do teclado que costumava se apresentar bastante maquiado, anéis em todos os dedos e roupas cheias de brilho, fazendo muito sucesso entre os anos 50 e 70. Feito originalmente para a TV americana, Liberace é vivido por Michael Douglas e Matt Damon representa seu secretário e amante, que escreveu o livro no qual o filme foi baseado.

Na coletiva de imprensa nesta quarta-feira, Douglas conta que cruzou uma vez com Liberace, que veio visitar seu pai, Kirk Douglas, em Palm Springs. Michael tinha apenas 12 anos, mas guardou a imagem exuberante do artista, que chegou num Rolls-Royce conversível, sorridente e carismático. Para Douglas, Liberace foi um precussor de artistas como Elton John e Lady Gaga. Ele acrescentou que o papel foi “um belo presente” após sua recuperação de um câncer (ele foi diagnosticado com câncer na garganta em 2011 e passou por um intenso tratamento).

Já “La Grande Bellezza” é o quinto filme de Paolo Sorrentino em competição em Cannes. O jornalista e escritor Jep Gambardella acaba de festejar 65 anos e revisita a Roma de sua juventude, através de um olhar irônico, blasé e mundano. O ator Tony Servillo tem sido bastante elogiado por sua interpretação. Para o jornal Le Monde, Jep é o primo italiano de Gatsy, personagem do filme “O Grande Gatsby”, com Leonardo di Caprio, que abriu o festival.

E se o tempo permitir, depois de tanta chuva em toda a França, a sessão ao ar livre na praia nesta terça-feira vai ser “Tubarão”, clássico de 1975, de Steven Spielberg.

Confira abaixo entrevista com Thiago Stivaletti, jornalista, crítico de cinema e membro do júri do prêmio revelação da Semana da Crítica. Ele viu a grande maioria dos filmes em competição oficial e fala a respeito.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.