Acessar o conteúdo principal
Cultura

Copa desfalca Festival de Jazz de Montreaux de artistas brasileiros

Áudio 04:58
Stevie Wonder é a principal atração do Festival de Jazz de Montreux de 2014.
Stevie Wonder é a principal atração do Festival de Jazz de Montreux de 2014. Reuters/Danny Moloshok

A Copa do Mundo do Brasil desfalcou o mítico Festival de Jazz de Montreux, na Suiça, de grandes atrações brasileiras neste ano. É o que explica a organização de um dos eventos mais importantes do gênero, diante da falta de grandes nomes que normalmente desfilam nos palcos do evento.

Publicidade

A grande atração deste ano é o músico americano Stevie Wonder. É a primeira vez que o cantor, compositor e multi-instrumentista americano, de 64 anos, vem a Montreux. Apesar de ter se tornado cego ainda recém-nascido, Wonder logo se revelou uma criança prodígio, aprendendo a tocar gaita, piano, bateria e baixo. Assinou seu primeiro contrato com uma gravadora aos 11 anos. Um dos maiores músicos vivos da atualidade, ele já ganhou 22 prêmios Grammy.

Mathieu Jaton, diretor-geral do Festival de Montreux explica que a vinda de Wonder era um sonho antigo do fundador Claude Nobs, que morreu num trágico acidente de esqui no começo do ano passado. Além de Wonder, a programação traz uma mistura de sons consagrados e contemporâneos. Ao lado de lendas vivas como Van Morrison, Budy Guy, Chris Rea e Amy McDonald, o público também vai poder apreciar os novos sons de Pharrel Williams, Outkast e Damon Albarn.

Desfalque

Sobre o desfalque brasileiro, Jaton diz que a realização da Copa do Mundo foi um dos motivos, pois muitos artistas preferiram ficar no Brasil nessa época. Mas ele promete que os brasileiros voltam ao palco de honra, o Stravinsky, no ano que vem e certamente em 2016, quando o festival comemora 50 anos.

“A história do festival e do Brasil é uma grande história de amor”, explica Jaton. “Há quase 40 anos, Claude Nobs abriu as portas para a música brasileira nos anos 70, o que que rendeu muitas criticas dos que não consideravam o ritmo do Brasil como jazz”, acrescenta. “Nobs respondia que o jazz era justamente abertura de espírito e que a abordagem da música brasileira era similar à do jazz e desde então a presença do Brasil sempre foi marcante”.

O Festival de Jazz de Montreux acontece até o dia 19 de julho.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.