Acessar o conteúdo principal
França/ Teatro

Teatro da Vertigem estreia em Avignon peça com visão apocalíptica da Europa

A peça do Teatro da Vertigem de SP é encenada na antiga Casa da Moeda de Avignon
A peça do Teatro da Vertigem de SP é encenada na antiga Casa da Moeda de Avignon Christophe Raynaud de Lage / Festival d'Avignon

O público de Avignon recebeu com perplexidade e fascínio a peça da companhia paulistana Teatro da Vertigem, que estreou na segunda-feira (7) no festival. “Dizer aquilo que não pensamos em línguas que não falamos” é o título da criação que aborda a crise econômica europeia e sua influência nas relações humanas.  

Publicidade

O texto do escritor Bernardo Carvalho, colocado em cena pelo diretor Antônio Araújo, mostra uma visão apocalíptica e sombria do velho continente às voltas com a imigração em massa, a ascensão da extrema-direita e a perda de valores. A peça surpreende pela ousadia do texto, mas principalmente pela originalidade da encenação feita na desativada Casa da Moeda de Avignon. O espetáculo é itinerante: começa do lado de fora do edifício e perambula pelos diversos andares, com os espectadores se deslocando e se surpreendendo com as diferentes sequências.

Atmosfera de apocalipse

O ponto de partida do texto de Carvalho é a viagem a Bruxelas da protagonista da trama, uma jovem economista brasileira que chega à capital belga com seu pai, que viveu exilado na Bélgica 30 anos antes. Esse homem se tornou afásico (ou seja, não tem mais a capacidade de falar) e se perde nessa cidade europeia totalmente diferente daquela que ele conheceu.
Essa peça surgiu no contexto do projeto belga Villes em Scène, iniciativa do Teatro Nacional da Bélgica e do Programa de Cultura da União Europeia, que convidou vários diretores a trabalharem o tema da cidade e das relações humanas nas áreas urbanas do continente.
Antônio Araújo foi o único dramaturgo não-europeu associado ao projeto e criou a peça na antiga Bolsa de Valores de Bruxelas. No elenco, cinco atores belgas, dois brasileiros e um francês. A criação, fruto de um trabalho bem coletivo, foi apresentada com sucesso em Bruxelas em maio passado.

Vertigem em Avignon

O Festival de Avignon, o maior evento europeu de artes cênicas, é também co-produtor da peça, adaptada agora para um lugar mais histórico, o "Hôtel des Monnaies". A montagem feita para o festival foi complexa devido à configuração do prédio e às exigências de segurança que limitam o número de espectadores a 60 pessoas por apresentação.

O público de Avignon se mostrou participativo na primeira apresentação, às vezes impressionado com uma visão tão sombria da velha Europa, mas seduzido pela intensidade do texto e da encenação.
No texto de apresentação da peça, no programa do festival, Antônio Araújo se defende de pretender, como dramaturgo brasileiro, abordar a problemática de cidades onde ele não vive, o que poderia, segundo ele, parecer arrogante. Por isso mesmo, ele diz reunir nesse espetáculo diversos “olhares” sobre a Europa: a visão dos atores europeus, a visão de Bernardo Carvalho, que morou em Paris, Londres e Berlim, e a visão do Teatro da Vertigem sobre São Paulo, onde o grupo atua e retira inspiração.
A companhia paulistana, que existe há 22 anos, desenvolve um teatro bem experimental, baseado nas intervenções urbanas e em montagens cênicas em locais não convencionais. A peça “O Livro de Jó”, em 1995, foi criada e apresentada num hospital psiquiátrico de São Paulo e “BR-3”, em 2003, foi uma obra itinerante que navegava pelo rio Tietê.
A peça “Dizer aquilo que não pensamos em línguas que não falamos” é a primeira produção contemporânea brasileira apresentada na programação oficial do Festival de Avignon desde 2005. Ela fica em cartaz até 17 de julho.

Clique para ver as imagens

 

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.