Acessar o conteúdo principal

Lucky Luke celebra 70 anos com exposição na França

Lucky Luke : o mais europeu dos cowboys americanos
Lucky Luke : o mais europeu dos cowboys americanos

O cowboy mais famoso das histórias em quadrinhos completa 70 anos de existência com uma exposição em Angoulême. A mostra retraça a trajetória de um dos principais heróis do mundo do HQ, mas também de seu autor, o belga Morris.

Publicidade

Enviado especial a Angoulême

A 43ª edição do Festival Internacional de Histórias em Quadrinhos de Angoulême terminou neste domingo (31), mas os fãs da 9ª arte ainda têm um motivo de peso para visitar a pequena cidade do sudoeste francês : exposição A Arte de Morris – o Homem que inventou Lucky Luke, que começou essa semana e continua em cartaz até setembro. A mostra foi uma das estrelas da programação do festival, atraindo milhares de visitantes apenas no primeiro fim de semana.

A exposição apresenta o trabalho do belga Maurice de Bévère, que criou, com o pseudônimo Morris, não apenas Lucky Luke, mas também uma série de personagens que marcaram o mundo dos quadrinhos. Mas sua principal “criatura” foi o cowboy de camisa amarela e lenço vermelho no pescoço, que ele desenhou até sua morte, em 2001.

O herói embalou gerações de leitores, mas também de expectadores. Afinal, Lucky Luke ganhou, já nos anos 70, uma versão em desenho animado que o tornou mundialmente conhecido. Traduzidas em 30 idiomas, as histórias do “pistoleiro mais rápido que a própria sombra” venderam mais de 300 milhões de exemplares, fazendo do cowboy solitário, junto com Tintin (de Hergé) e Asterix (de Uderzo e Goscinny), um dos principais ícones dos quadrinhos europeus.

Heroi para adultos e crianças

O resultado desse sucesso pode ser vistos nos corredores da exposição, onde adultos e crianças fazem fila para tirar foto ao lado do boneco gigante do personagem, na primeira sala da mostra, organizada pela Cidade das Histórias em Quadrinhos de Angoulême. Os fãs de longa data são mais discretos, e simulam um ar compenetrado diante das pranchas expostas – 150 delas são originais e estão sendo mostradas pelas primeira vez ao público. Já os menores não disfarçam a excitação e passeiam pela mostra com pistolas de brinquedo e experimentam os cocares de índios colocados à disposição. Mas na última sala, onde uma seleção de desenhos animados com o personagem é projetada em um telão, todos perdem a pose e passam longos minutos sentados nos banquinhos ou no chão mesmo, como se estivessem em casa, diante da televisão.

Além dos desenhos animados, o personagem ganhou vida nos cinemas, em 1991, encarnado por Terence Hill, e em 2009, interpretado por Jean Dujardin, dois anos antes do francês conquistar o mundo com The Artist, que lhe deu um Oscar de melhor ator.

Uma mistura de John Wayne e Gary Cooper

Mas a história de Lucky Luke com a 7ª arte é bem mais antiga, já que o personagem foi claramente inspirado nos grandes clássicos do cinema norte-americano. Além disso, Morris nunca negou que a interpretação de cowboys solitários feita nas telonas por atores como John Wayne, e principalmente Gary Cooper, serviram de modelo para seu heroi dos quadrinhos.

Para os fãs que não puderem ir até Angoulême, a Editora Zarabatana anunciou que vai publicar no Brasil todas as aventuras do heroi em álbuns com histórias integrais e capas originais.

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.