Acessar o conteúdo principal
Cultura

Festival "Les Femmes S’en Mêlent" valoriza produção musical feminina na França

Áudio 08:01
Cartaz da vigésima edição do festival Les Femmes S'en Mêlent.
Cartaz da vigésima edição do festival Les Femmes S'en Mêlent. Divulgação

Foi dada a largada para a 20a edição do Les Femmes S'en Mêlent, o maior festival dedicado à música feminina independente da França. O evento foi inaugurado na quinta-feira (22) nas cidades de Rezé e Perigueux, no leste do país, se espalha pelo resto da França neste fim de semana e aterrissa em Paris na próxima segunda-feira (27).

Publicidade

No line up do festival, 35 bandas e artistas, algumas já conhecidas na cena independente, como a canadense Austra, a israelense Keren Ann, a francesa Rebeka Warrior, ex-Sexy Sushi, e a escocesa Marnie, ex-Ladytron. Mas a grande marca do evento, revelar novos talentos, não ficou de lado. A média de idade das garotas que se apresentam nesta edição é 22 anos, o que mostra que o principal objetivo do festival, incentivar que mais mulheres despertem para a música, tem dado certo.

"Quando eu comecei, em 1997, era muito mais difícil achar artistas mulheres: havia muito menos meninas na música. Há cerca de dez anos, esse cenário começou a mudar. A ideia é mostrar essa diversidade que existe de artistas mulheres, sem esterótipos, e fazer um verdadeiro panorama da cultura musical feminina e seus diferentes estilos musicais", diz o diretor e responsável pela programação do festival, Stéphane Amiel.

Um festival engajado

Há 20 anos, o Les Femmes s'en Mêlent (em português, as mulheres "se metem") acontecia no Dia Internacional da Mulher, 8 de março. Mas, com o passar dos anos, o festival foi crescendo e se estendendo por boa parte do mês de março. Hoje, o engajamento na causa feminista fica a critério das artistas.

"O festival abre o espaço para as artistas. São elas que escolhem ser militantes ou não e ter ou não um discurso feminista para defender. Claro, nosso engajamento está na escolha da programação, mas não queremos ter um discurso mais forte do que o das artistas: deixamos o espaço e a liberdade de expressão a elas", ressalta.

Segundo Amiel, as eleições para presidente na França deram um tom mais político ao evento. "Sabemos que, dentro do contexto em que vivemos, é raro que as artistas que participem do festival não sejam militantes. Por exemplo, certos candidatos querem revogar alguns direitos das mulheres. Vemos que o combate a esse discurso está cada vez mais presente entre as artistas do Les Femmes S'en Mêlent."

Radio Girl

A compositora e cantora francesa Pauline De Tarragon, ou Pi Ja Ma, como é conhecida, conversou com a RFI sobre sua participação no festival. Com apenas 20 anos, ela lança o EP "Radio Girl" na quarta-feira (29) na sala Divan du Monde, em Paris. À RFI, a jovem, cujo estilo é comparado ao de Cat Power, conta como ainda hoje é difícil conseguir o mesmo espaço que os homens na arte e na cultura.

"Há frequentemente homens na música e, nós, mulheres, também queremos nos sentir tão importantes quanto eles. Afinal, somos a metade do planeta, temos talento e muitas coisas para dizer. Espero que, no futuro, os festivais tenham o mesmo número de mulheres e homens. Gostaria também que houvesse mais festivais dedicados exclusivamente às artistas para que possamos ouvir mais frequentemente as mulheres se expressarem", afirma Pauline.

O festival Les Femmes S'en Mêlent passa por mais de 20 cidades francesas até o dia 8 de abril. Confira programação completa no site LFSM.net.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.