Acessar o conteúdo principal
RFI Convida

Cinemas do Brasil precisam de mais cuidado, dizem documentaristas em Biarritz

Áudio 10:25
Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli, diretores do documentário "Cine São Paulo".
Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli, diretores do documentário "Cine São Paulo". festivaldebiarritz.com

Os diretores Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli arrancaram aplausos e elogios do público no Festival Biarritz América Latina e têm grandes chances de levar, na noite deste sábado (30), o prêmio de melhor documentário por “Cine São Paulo”. A produção, que conta a saga do carismático Seu Chico na reforma de um cinema antigo de uma cidade do interior paulista, evoca também a falta de cuidado com as salas de exibição cinematográficas no Brasil.

Publicidade

Daniella Franco, enviada especial da RFI a Biarritz

“O cinema é algo que não deve morrer e não vai morrer, mas ele precisa sim de cuidado, especialmente no Brasil. A gente espera que o filme ajude a levantar essa questão também”, diz Ricardo Martensen.

A reforma de um cinema dos anos 40, fechado pela prefeitura de Dois Córregos (SP), é o tema central do documentário dos dois jovens cineastas. A produção retrata o duro e longo trabalho do professor aposentado Francisco Augusto Prado Telles, o Seu Chico, na tentativa de reabrir a sala que herdou de seu pai.

O personagem, aliás, conquistou o público no festival de cinema latino-americano de Biarritz com sua obstinação e espontaneidade. Durante meses, Martensen e Tomazelli acompanharam a saga do homem que não se deixa vencer por inúmeras dificuldades e burocracias. Ele investe seu tempo, energia e economias para reabrir a sala de cinema que foi o centro da vida cultural de Dois Córregos, durante décadas.

O local tem um valor imensurável para Seu Chico: foi onde passou sua infância ao lado do pai, projecionista, onde começou a trabalhar, palco do namoro com a futura esposa, e que se tornou um “negócio de família” - como o próprio personagem classifica, ao mostrar uma antiga gravação em que recebe o público ao lado da mulher e filhos, nos anos 80.

À RFI, Martensen contou que conheceu Seu Chico em 2011, quando realizava uma série de documentários no interior de São Paulo. Mas foi em 2015, ao conversar por telefone com o aposentado, que o documentarista soube que o cinema de Dois Córregos havia sido interditado pela prefeitura e que a aventura da reforma para a reabertura do local começaria.

Os dois cineastas retratam a obstinação e as dificuldades para a adequação do local às normas de segurança, mas com a insistência de Seu Chico em não abrir mão do equipamento original: o velho projetor, os assentos de madeira, a decoração art nouveau, os letreiros dos anos 40. Mas, de heróis do aposentado, Martensen e Tomazelli passam a figurar no território inimigo do personagem. Ele atribui aos documentaristas a responsabilidade de a inspeção da sala de cinema ter sido reprovada pelos bombeiros, depois de meses de trabalho de reconstrução.

“Quando houve esse rompimento, imaginamos que seria uma coisa pontual. Mas um pouco desta situação partiu de uma provocação nossa porque queríamos imprimir isso narrativamente. Não foi algo que partiu só do Seu Chico”, conta Tomazelli.

Seu Chico, personagem retratado no documentário "Cine São Paulo".
Seu Chico, personagem retratado no documentário "Cine São Paulo". Divulgação

De documentário a projeto

Por trás do cativante documentário, um grande projeto dos dois cineastas: uma plataforma de mapeamento de salas de cinema antigas por todo o Brasil. A ideia surgiu a partir de encontros que o filme propiciou à dupla.

O projeto ainda está sendo testado, mas funciona de forma colaborativa. Voluntários acessam uma espécie de mapa, colocam endereço, informações e fotos da sala de cinema, em funcionamento ou não.

Para os documentaristas, o projeto pode se transformar em um catalisador de políticas públicas para restauração. “O documentário é como se fosse um gatilho para a gente poder ‘surfar na onda’, construir um diálogo maior com o público e o filme ter essa espécie de continuação, através dessa plataforma”, diz Tomazelli.

A previsão é que o lançamento comercial de “Cine São Paulo” aconteça no primeiro semestre de 2018. Martensen e Tomazelli planejam a realização da grande première do filme no próprio cinema de Seu Chico.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.