Acessar o conteúdo principal
Cultura

Espetáculo audiovisual encena 3 mil anos de Lutécia, o alterego milenar de Paris

Áudio 05:30
A esplanada e a fachada do Musée des Invalides, em Paris.
A esplanada e a fachada do Musée des Invalides, em Paris. © Luc Arden

Desde 2012, parisienses e turistas têm um encontro marcado no verão da capital francesa com a já tradicional Noite no Musée des Invalides, também conhecida como o Show Monumental de Paris. Em 2019, o diretor Bruno Seillier escolheu contar nada menos que 3.000 anos da história da França, num espetáculo que mistura tecnologias de vídeo-mapping, projeção de laser e uma verdadeira viagem musical, para revisitar episódios clássicos, desde a tomada da Gália pelos romanos até os dias atuais, passando pelas Guerras Napoleônicas e a Revolução Francesa.

Publicidade

Lutécia, 3.000 anos de histórias, faz referência ao antigo nome milenar de Paris e propõe uma viagem audiovisual no túnel do tempo. Segundo o diretor do espetáculo, Bruno Seillier, um veterano de trabalhos de projeção e instalações em monumentos históricos, o foco principal é a essência da história a ser contada.

"Primeiro o espetáculo se destinaaos olhos, aos ouvidos e, através da luz das tecnologias, eu resgato a grandiosidade e as formas do monumento histórico do Musée des Invalides. É uma boa maneira de descobrir um país, um povo, de falar ao coração deste povo", afirma. "Os monumentos também trazem consigo uma longa história, e representam símbolos. Nesse momento tento dialogar de maneira espiritual com a plateia, para fazer o publico ficar com vontade de conhecer mais sobre essa história de homens e mulheres que construíram esse monumento e que moraram dentro dele", diz Seillier.

À frente de seu quinto grande espetáculo em 2019, o diretor conversou com a RFI direto de Carcassone, onde encena a história do mítico lar dos cátaros, nesta cidade medieval do sudoeste francês, para uma grande multidão nestas férias de verão do Hemisfério Norte. O show se chama La cité des pierres vivantes, ou A cidadela das pedras vivas, em português. Ele também assina espetáculos com projeções como as Crônicas do Monte, no famoso Mont Saint-Michel, na região da Bretanha, e criou um trabalho especial no ano passado para os 130 anos da Torre Eiffel. 

"A primeira coisa que é preciso respeitar os monumentos, não apenas na maneira como eles se apresentam, mas também em sua história, identidade e símbolos", diz. "E também a mensagem enviada por quem os construiu. Não se trata de sublinhar a visão de um diretor, mas de valorizar o monumento. Fazer aparecer na superfície da pedra coisas que podem parecer escondidas durante o dia. Para apresentar o monumento à plateia sob uma outra luz. Mas o ponto principal é permanecer fiel ao monumento", reitera Seillier.

Hospital Militar

O diretor resgata a história e a memória do Musée des Invalides, ou o Museu dos Inválidos, para justificar a sua escolha na encenação dos 3.000 anos de Lutécia. "Les Invalides era um hospital em sua origem, idealizado pelo rei Luís 14, o chamado Rei-Sol, para os soldados pobres e feridos de seu exército", lembra o diretor. "Na sequência, Napoleão construiu uma necrópole no local, um cemitério para grandes soldados e generais, os heróis do Exército francês. E, finalmente, trata-se de um Museu do Exército da República, uma homenagem a todos os soldados mortos pela França. É um monumento que representa verdadeiramente um grande símbolo de unidade, não importam as diferenças políticas de diferentes regimes, os Invalides representam esta unidade francesa", acredita.

"Contando a história dos Invalides, posso contar a história da França, da monarquia, do império da revolução e da República. Neste lugar, na planície de Grenelle, no início da história da França, aconteceu uma batalha importante, entre os romanos e os gauleses, e, após nossa derrota, Lutécia caiu nas mãos dos romanos", relembra Bruno Seillier.

Grandiose

O diretor decidiu encarar o desafio de contar 3.000 anos de história em 50 minutos de espetáculo, que já reúne cerca de 400 mil espectadores. A aparelhagem impressiona, com 10 vídeo-projetores laser em uma superfície de projeção de 5 mil metros quadrados. 

O trabalho, no entato, parece hercúleo. "É um longo processo, que exige muita leitura, de contemplação, de busca de imagens, de escuta musical e, pouco a pouco o agenciamento das músicas, das imagens e dos temas vão aparecendo, é um processo que leva um certo tempo", confessa. "Retratamos muitos momentos, como a Resistência durante a Segunda Guerra Mundial, a homenagem ao Soldado Estrangeiro morto pela liberação da França, a fundação do Museu do Exército, o começo da Revolução Francesa. É uma homenagem a todos os soldados franceses mortos, e à história da França de modo geral", diz.

O espetáculo Lutécia, 3.000 anos de histórias, fica em cartaz até 30 de agosto de 2019 no Musée des Invalides, em Paris.

Cartaz do espetáculo: Noite no Palácio dos Inválidos: 3000 anos de hitória
Cartaz do espetáculo: Noite no Palácio dos Inválidos: 3000 anos de hitória lanuitauxinvalides.fr

Newsletterselfpromo.newsletter.text

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.