Acessar o conteúdo principal
RFI Convida

Ficção musical conta viagem imaginária de Georges Brassens ao Brasil

Áudio 11:05
O autor e diretor artístico do projeto "Brassens Brasil", Dudu Flexor.
O autor e diretor artístico do projeto "Brassens Brasil", Dudu Flexor. Foto: RFI Brasil

Ícone da música francesa do século 20, Georges Brassens nunca pisou no Brasil. Mas um projeto ficcional propõe uma “viagem musical” de suas canções pelo universo rítmico de várias regiões brasileiras.

Publicidade

Idealizado pelo diretor artístico Dudu Flexor, o projeto "Brassens Brasil" projeta uma aventura musical imaginária de um dos maiores poetas e cantores da música francesa em solo brasileiro.

A ideia surgiu desde que Dudu Flexor, ainda estudante de psicologia, desembarcou na França, em 1964. Ao se instalar em Paris, teve uma grande decepção com o clima rigoroso do inverno e com a qualidade das aulas na Universidade Sorbonne.

Na Casa do Brasil, onde vivia, um amigo sugeriu ouvir Georges Brassens, cantor de muito sucesso na França e o encanto pelo poeta, músico e cantor francês foi imediato. “Ele é um Chico Buarque da canção e da língua francesa”, compara.

A identificação com sua obra o levou a batizar um de seus filhos como nome do artista, Georges. “Eu ninava minhas crianças com muitas de suas canções”, recorda.

Músico amador e fã de percussão, Dudu Flexor criou dois grupos de samba na França. Mas só agora, aos 75 anos, pode se dedicar inteiramente a um projeto que acalenta há mais de quatro décadas: criar uma ponte musical imaginária entre Brassens e o Brasil.

“Eu insisto em dizer que é imaginária. Brassens nunca foi ao Brasil, aliás, ele nem gostava de viajar”, comenta.

Roteiro improvável

A aventura musical fictícia começa com o cantor francês se interessando pelo país tropical após ter visto o filme Orfeu Negro e se encantado com os ritmos brasileiros.

A passagem da cantora francesa Edith Piaf pelo Brasil entrou no roteiro ficcional e promoveu a aproximação de Brassens com Dorival Caymmi. No imaginário de Dudu Flexor, o cantor baiano teria estimulado o francês a fazer uma viagem de barco inspirado na história de Ita do Norte.  

O percurso musical de Brassens pelo Brasil começa em Manaus e percorre todos a região norte e nordeste, a primeira fase do projeto.

“Cada parada dessa viagem tem um ritmo e uma festa diferente”, conta Dudu. Assim, algumas das célebres canções de Brassens ganharam arranjos inusitados como Brave Margot, em ritmo de boi bumbá, Le Bistrot, com carimbó, e Les Amoureux, como xote.

“No total, são 13 ritmos nestas regiões”, conta Dudu Flexor. Parte das canções deste primeiro álbum já foram registradas na capital amazonense com a direção musical de Rosivaldo Cordeiro, um dos parceiros do projeto.

Na sequência da trajetória musical pelo Brasil, e que compõe a segunda parte do projeto e do disco, Brassens descobre ritmos típicos da região sudeste como maxixe, choro e marchas carnavalescas.

Para essa segunda etapa do projeto, ele conta com o grupo Galo Preto, que já tocou com Cartola e Elton Medeiros. “Tudo vai terminar em apoteose com um samba sobre a amizade, Les Copains d’abord”, revela, em referência a um dos maiores sucessos de Brassens.

Parceria solidária

Apesar do circuito musical imaginário, o projeto "Brassens Brasil"vai promover uma parceria concreta envolvendo a escola de música de São João do Meriti, na Baixada Fluminense.

Por corte de recursos, a Associação de Músicos Compositores, criada há 21 anos e que oferece cursos para mais de 150 crianças da região, corre o risco de fechar as portas. “Neste últimos tempos catastróficos, cortaram a subvenção que tinham. De um dia para o outro, a escola pode ir para o brejo”.

Dudu explica que parte da renda com o projeto "Brassens Brasil", com shows e venda dos dois Cd’s’, será destinada à instituição. "É mais que uma solidariedade, é uma parceria. Os músicos desta escola vão participar da gravação no Rio de algumas músicas. 'Brassens Brasil' está em uma parceria total e solidária com eles. Parte dos lucros vai para eles, isso está fixado e é definitivo”, conclui.   

Clique para ver a íntegra da entrevista em vídeo

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.