Acessar o conteúdo principal
China/Economia

Bolsas asiáticas desabam preocupadas com desaceleração da China

A bolsa de Xangai registrou baixa de 8,5% nesta segunda-feira (24), a mais forte em oito anos.
A bolsa de Xangai registrou baixa de 8,5% nesta segunda-feira (24), a mais forte em oito anos. REUTERS/Aly Song

As bolsas asiáticas desabaram nesta segunda-feira (24), devido à preocupação dos investidores com a desaceleração da economia chinesa. O movimento repercute na Europa, onde as bolsas também operam no vermelho. A bolsa de valores de Xangai fechou em queda de 8,5%, a pior baixa em oito anos. Em termos percentuais é a maior queda em um dia desde a crise financeira de 2007.

Publicidade

A bolsa de Shenzhen, a segunda maior da China, perdeu 7,7%. No Japão, o índice Nikkei fechou em baixa de 4,61%. A bolsa de Sydney recuou 4,09%, atingindo o menor nível em dois anos. A crise nos mercados asiáticos é provocada pela desaceleração da economia chinesa, que afeta a confiança de milhares de pequenos investidores.

No fim de semana, o governo chinês tomou uma medida para conter a derrocada: autorizou o fundo de pensão nacional, que tem reservas de US$ 550 bilhões, a investir em ações. As autoridades monetárias pensaram que se o fundo comprasse títulos maciçamente, as ações voltariam a subir. Mas a medida, junto com outras adotadas nas últimas semanas, não teve o efeito desejado.

Desde junho, os títulos chineses perderam um terço do valor e se instalou um círculo vicioso. Os investidores, em sua grande maioria pequenos investidores, vendem suas ações na esperança de limitar as perdas, mas o efeito acaba sendo inverso.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.