Acessar o conteúdo principal
Economia/Aquisição

InBev se aproxima de comprar SABMiller e pode dominar um terço do mercado de cervejas

Logo da AB InBev na sede da companhia em Leuven, na Bélgica
Logo da AB InBev na sede da companhia em Leuven, na Bélgica REUTERS/Francois Lenoir

A cervejaria britânica SABMiller, número dois do mundo no setor de cervejas, anunciou que aceitou a última oferta de compra da líder do setor, a Anheuser-Busch InBev, de capital belga e brasileiro, pelo equivalente a US$ 109 bilhões. Essa é uma das maiores operações de aquisição da história. Após duas semanas de impasse a AB Inbev, do empresário Jorge Paulo Lemann, anunciou que vai pagar 67 dólares a cada ação da SAB Miller, o que eleva o valor da companhia britânica a seu maior patamar histórico.

Publicidade

Os valores da compra representam uma valorização de 50% em comparação com a cotação do título em 14 de setembro, antes dos boatos sobre uma Oferta Pública de Aquisição, que elevaram o preço. Para obter o acordo, a AB InBev teve que aumentar quatro vezes sua oferta, diante de seguidas recusas da SABMiller.

Divisão

O assédio da InBev dividiu os acionistas da companhia britânica. O acionista majoritário, a fabricante de tabaco norte-americana Altria (proprietária da Marlboro) exercia pressão a favor do negócio. Por outro lado, a família colombiana Santo Domingo, proprietária de 14% do grupo, se opunha.

Se a transação for concretizada, o novo grupo incluirá as marcas de cerveja americana Budweiser e a belga Stella Artois, pertencentes à AB InBev, assim como a italiana Peroni, a tcheca Pilsner Urquell e a holandesa Grolsch, hoje da SABMiller.

Com esta compra bilionária, a AB InBev também abre caminho para negócios na África, particularmente na África do Sul, onde a SABMiller foi fundada há 120 anos. O grupo resultante desta fusão colossal venderia uma a cada três cervejas no mundo, da mexicana Corona à australiana Foster e até a chinesa Snow, a marca mais comercializada do planeta.

Se receber o sinal verde das agências reguladoras, a AB Inbev tem até o dia 28 de outubro para bater o martelo sobre a compra. As ações da companhia subiram 8,52% na abertura da bolsa de Londres, enquanto as da InBev abriram em alta de 2,85% no pregão de Bruxelas.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.