Acessar o conteúdo principal
OMC/crescimento

OMC rebaixa previsão de crescimento do comércio em 2016

OMC rebaixa previsão de crescimento do comércio em 2016.
OMC rebaixa previsão de crescimento do comércio em 2016. Reuters

O crescimento do comércio mundial continuará sendo moderado em 2016, ficando em 2,8% em vez dos 3,9% previstos, anunciou nessa quinta-feira (7) a Organização Mundial do Comércio (OMC), que espera um ano tão volátil como 2015.

Publicidade

A América do Sul é a região com o crescimento em importações mais baixo no ano passado devido à recessão no Brasil, que fez a demanda cair.

Para 2017 o crescimento do comércio mundial melhorará até chegar a um aumento de 3,6%, segundo os economistas da OMC. Esse percentual continua sendo inferior aos 5% registrados desde 1990.

"Outros indicadores da atividade econômica e comercial nos primeiros meses de 2016 têm dados díspares; alguns apontam uma consolidação do crescimento do comércio e a produção, enquanto outros indicam uma menor aceleração", explicam os economistas da OMC.

Crescimento do comércio pode continuar volátil em 2016, estimam os especialista

Pelo lado positivo, a OMC aponta um crescimento do tráfego portuário de contêineres e as vendas automobilísticas nos países desenvolvidos.

A organização aponta uma mudança nas previsões da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), com a queda no crescimento desses países desenvolvidos e a volatilidade persistente nos mercados financeiros.

Consequentemente, a OMC conta com uma pequena desaceleração do crescimento econômico em 2016 nos países desenvolvidos e uma pequena aceleração nos países em desenvolvimento. O volume do comércio mundial das mercadorias deve subir 2,8%.

A estimativa anterior para 2016, que data de setembro de 2015, já era uma revisão em baixa, considerados os 4% previstos há um ano.

"O comércio continua registrando um crescimento positivo, embora a um ritmo menor do que o desejado", afirmou o diretor-geral da OMC, o brasileiro Roberto Azevêdo. "Neste ano o comércio crescerá a uma taxa inferior a 3% pelo quinto ano consecutivo", acrescentou.

Dados podem melhorar com ajuda do BCE para estimular crescimento na zona do euro

"É possível que seja necessário revisar em baixa essas previsões, em particular se a economia chinesa deixar de crescer mais rápido do que o previsto, se a volatilidade nos mercados financeiros piorar e se os países com grande dívida externa tenham que fazer bruscos movimentos nas taxas de câmbio", aponta a OMC.

No entanto, segundo os especialistas, "esses dados podem melhorar caso a ajuda monetária do Banco Central Europeu consiga acelerar o crescimento na zona do euro".

Em 2016, as exportações dos países desenvolvidos e as dos países em desenvolvimento devem evoluir quase no mesmo ritmo que em 2015, com uma taxa de 2,9% e de 2,8%, respectivamente. As importações de economias desenvolvidas (+3,8%) provavelmente evoluirão mais rápido do que as dos países em desenvolvimento (+1,8%).

Prevê-se que a Ásia seja a região com o maior ritmo de crescimento das exportações em 2016, de 3,4%, seguida por América do Norte e Europa, com 3,1% cada uma. A América Central e a do Sul registrarão taxas inferiores, de 1,9% e 0,4%, respectivamente.

As importações da América do Norte devem aumentar 4,1% neste ano, e as da Ásia e da Europa devem registrar um crescimento de 3,2% em cada caso.

Por último, neste ano se prevê uma nova contração das importações da América Central e do Sul e de outras regiões, já que os preços do petróleo e de outros produtos básicos continuam baixos.

 

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.