Acessar o conteúdo principal

Pesquisas indicam que pobres são os mais afetados pelo coronavírus

A crise do coronavírus revelou que os pobres estão mais expostos à doença que o resto da população.
A crise do coronavírus revelou que os pobres estão mais expostos à doença que o resto da população. REUTERS - Mohammad Ponir Hossain

Os mais pobres são mais expostos ao coronavírus que o resto da população. Vários estudos científicos foram realizados para verificar esta constatação perceptível em muitas regiões do mundo.

Publicidade

Por Dominique Baillard

Na França, esta realidade salta aos olhos principalmente no departamento de Seine-Saint-Denis, ao norte de Paris. A região registrou a maior taxa de mortalidade da Covid-19: em março de 2020, foram 63% a mais de óbitos do que no mesmo mês de 2019. O departamento concentra indicadores sociais negativos, sendo ao mesmo tempo o mais populoso e um dos mais pobres da França; com o menor número de médicos por habitantes do país e a maior concentração de imigrantes.

"Em geral, a pandemia afetou com mais violência as regiões francesas que acumulam densidade demográfica, grande proporção de operários e forte desigualdade de renda", constata a economista Nadine Lecratto, em um estudo sobre as desigualdades territoriais diante da pandemia, publicado recentemente.

A pesquisa aponta nesta situação as regiões de Île-de-France (região parisiense), Hauts-de-France (norte) e o Grand Est (leste), que foram as que registraram o maior número de vítimas. Essas foram classificadas pelo governo como zonas ainda de risco e sairão da quarentena em um ritmo mais lento do que o resto do país.

Fatores de vulnerabilidade

Diversos fatores tornam os mais pobres mais vulneráveis ​​à pandemia, a começar pelo acesso limitado à saúde e a maior exposição a patologias que agravam os fatores de risco, como hipertensão, obesidade e diabetes.

As famílias carentes vivem geralmente em casas pequenas, favorecendo a propagação familiar do vírus. Além disso, os trabalhadores pobres quase não têm empregos compatíveis com o teletrabalho. Eles estão, portanto, na linha de frente das pessoas expostas ao vírus durante a pandemia, atuando no comércio essencial, como cuidadores, faxineiros, lixeiros ou entregadores, e foram contaminados no trabalho.

Essa constatação é universal, mas cada país apresenta particularidades que dependem de sua história socioeconômica. Nos Estados Unidos, os afro-americanos são muito mais afetados do que os brancos, de acordo com os primeiros estudos realizados por município naquele país.

No Reino Unido, a taxa de contaminação é muito maior nas regiões que votaram a favor do Brexit, apresentando uma diferença de 19% mais do que as áreas que votaram contra. Os dados são da economista Annie Tubadji, que teve a ideia de cruzar os resultados da votação no referendo sobre a saída do país da União Europeia com a incidência do novo coronavírus. As regiões pró-Brexit também são as mais desfavorecidas economicamente.

A pesquisadora também se interessou pelo perfil étnico das regiões britânicas: quanto mais multiculturais, mais são afetadas pela pandemia.

Na França, é impossível fazer estudos tão extensos. Os especialistas franceses em epidemiologia social reclamam que os dados não estão disponíveis no país. Isso representa um sério obstáculo para conter a pandemia a curto prazo, pois uma análise mais detalhada das populações afetadas permitiria uma abordagem direcionada e mais eficaz.

Imigrantes mais afetados em Singapura

Os trabalhadores imigrantes ficaram de fora da campanha de prevenção lançada em Singapura contra a Covid-19 e constituem a maioria dos casos na segunda onda da pandemia no país. A cidade-Estado pensou conter a doença com medidas draconianas, mas esqueceu de testar e proteger os pilares de sua atividade econômica. Os imigrantes, que na maioria das vezes moram em dormitórios lotados, continuaram a realizar seu trabalho durante a crise sanitária.

A longo prazo, a pandemia vai acentuar ainda mais as desigualdades que a própria crise tornou mais evidentes. A menos que as políticas futuras de estímulo econômico anunciadas por diversos países priorizem finalmente a redução das desigualdades, como esperam milhões de cidadãos que, em diversos países do mundo, enfrentam a pandemia de coronavírus ainda sem previsão de cura.

NewsletterReceba a newsletter diária RFI: noticiários, reportagens, entrevistas, análises, perfis, emissões, programas.

Página não encontrada

O conteúdo ao qual você tenta acessar não existe ou não está mais disponível.